Companhia americana brilha ao som de Vadico

Nova York conheceu músicas do compositor brasileiro Vadico, um dos grandes parceiros de Noel Rosa, na segunda-feira, no Joyce Theater. E pela crítica do New York Times, o espetáculo agradou. Músicas do paulistano Osvaldo Gogliano, o Vadico, foram a trilha do espetáculo de dança Choros, que nasceu pelas mãos da coreógrafa Katherine Dunham, com quem o músico brasileiro trabalhou nos anos 40.Choros foi levado aos palcos pela companhia de dança Cleo Parker Robinson Dance Ensemble.Vadico é co-autor de alguns dos mais famosos sambas de Noel Rosa, como Conversa de Botequim, Feitiço da Vila e Mais um Samba Popular. Depois de ser parceiro de Noel Rosa, integrou como pianista a banda de Carmem Miranda e tocou nos Estados Unidos durante vários anos, chegando até mesmo a participar de filmes como Uma Noite no Rio, Aconteceu em Havana e Minha Secretária Brasileira. Ele teve uma intensa participação musical nos EUA, e virou diretor de orquestra da companhia de Katherine Dunham, com quem excursionou pela Europa.A noite de segunda no Joyce Theater teve mais Brasil. Entre as coreografias que foram apresentadas pela companhia, My Bahia também foi destaque. Esta parte do espetáculo era, segundo o NYT, "um gracioso ritual para uma mulher vestida de branco que acorda de uma meditação". E não foi só. O brasileiro Carlos dos Santos Jr., que é ex-integrante da companhia Cleo Parker Robinson, apresentou seu novo trabalho, Divinities. Mas esta última não mereceu elogios do Times. À crítica de dança do diário, Jennifer Dunning, Divinities pareceu uma cópia mal feita de danças tradicionais africanas, e não brasileiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.