Como tudo começou

Série Hannibal narra primeiros passos do psicopata do cinema

JOÃO FERNANDO, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2013 | 02h18

Para evitar reviravoltas no estômago, jante antes de assistir à série Hannibal, que estreia terça, às 22 horas, no canal pago AXN. A atração mostra as primeiras ações do personagem-título - vivido no cinema por Anthony Hopkins, em O Silêncio dos Inocentes (1991) - com direito a cenas de corpos dilacerados e do criminoso, agora encarnado por Mads Mikkelsen (o vilão Le Chifre de 007 - Cassino Royale), saboreando refeições feitas com órgãos de suas vítimas.

Na trama, Hannibal Lecter divide as atenções com Will Graham (Hugh Dancy), um ex-detetive de homicídios que se tornou acadêmico. Ele, porém, retorna ao mundo do crime para ajudar o policial Jack Crawford (Laurence Fishburne) a analisar o comportamento de assassinos em série e tentar detê-los. Além do diploma, Graham tem o talento de sentir exatamente o que se passa na mente dos criminosos no momento em que eles atacam suas vítimas.

Apesar da precisão na hora de encontrar as pistas dos crimes e chegar perto dos serial killers, Graham vive constantemente perturbado e preocupa a equipe do FBI que acompanha. Na tentativa de controlar o ex-detetive, os policiais convocam Hannibal Lecter, tido como o psiquiatra forense ideal para tratar pacientes como seu antagonista.

A parceria dos protagonistas, entretanto, é um perigo para os trabalhos de Graham, pois Hannibal começa a ter acesso a informações privilegiadas dos crimes e pode pôr em prática seus planos de matar pessoas para degustar a carne delas em sua cozinha, em jantares caprichados. Já no primeiro episódio, batizado com o sugestivo nome de Apéritiv (aperitivo em português), o psicopata mostra seu potencial para agir silenciosamente, enquanto engana todos com seu jeito cortês de dominar Graham.

A série, criada por Bryan Fuller (de Dead Like Me), tenta equilibrar fantasia e realidade ao mostrar sequências dos corpos das vítimas em meio aos devaneios do ex-detetive, repletas de efeitos especiais e sangue artificial.

Em todos os 13 episódios, Hannibal terá o recurso da segunda tela. Por meio de uma tecnologia de marca d'água de áudio digital, o telespectador que tiver um celular ou tablet com sistema iOS poderá receber informações extras do capítulo que está no ar. A cada semana, haverá dados diferentes sobre parte dos atores no exato momento em que eles aparecem na TV, ou ainda informações complementares sobre o episódio que está no ar.

O aplicativo da série, por enquanto disponível para download gratuito apenas na loja virtual iTunes, permite o compartilhamento de informações em redes sociais, como Facebook e Twitter, para que os outros telespectadores possam trocar dados e suas impressões sobre as cenas exibidas naquela semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.