Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Como os psicólogos vêm lidando com o estresse do aumento das terapias

Profissionais falam sobre o que fazem para manter a saúde mental em meio à pandemia

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2021 | 05h00

Aulas de caratê, longas caminhadas por trilhas desertas, meditação, experimentos culinários, aulas virtuais de piano e, é claro, muita terapia. Eis algumas das estratégias adotadas por psicólogos (as) para sobreviver ao aumento de trabalho e à exaustão.

Colocada em números, a atuação de quem cuida da nossa saúde mental fica ainda mais pesada. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), entre os seus associados (43 Estados e o Distrito Federal), 59% perceberam aumento de até 25% nas consultas no período; 69,3% atenderam pacientes que já haviam recebido alta; e 82,9% perceberam o agravamento dos sintomas em pacientes que ainda estão em tratamento.

Já na modalidade de atendimento online, uma das principais ferramentas utilizadas durante a crise sanitária, observou-se um crescimento de 1.856% em relação a 2019, em horas aproveitadas em sessões online – o que representa cerca de 80 mil horas de terapia à distância (dados da plataforma de saúde mental e desenvolvimento pessoal Zenklub realizada no primeiro trimestre de 2021). 

A psicóloga e docente do Instituto de Psicologia da USP, Claudia Oshiro, 43 anos, já atuava em duas frentes (atendimento e sala de aula) quando a pandemia chegou e ela viu “o trabalho invadindo a própria casa”. “Com duas crianças pequenas, sem rede de apoio, comecei a perceber que o trabalho triplicou. De um dia para o outro, tive que me adaptar ao serviço remoto. E vieram aulas, projetos, livros, e-mails, WhatsApp... O desfecho foi clássico: burnout (distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse provocados por condições de trabalho desgastantes)”, contou ela.

Claudia precisou procurar um psiquiatra para entrar com medicação, dormir melhor e ter mais disposição. “As pessoas estão de fato pifando – inclusive os psicólogos. A situação escancarou que o psicólogo também é gente e que precisa de ajuda”, observa. 

Além do acompanhamento profissional, Claudia fez longas caminhadas, percorreu trilhas até chegar em cachoeiras desertas (na Serra da Canastra, em Minas Gerais) e andar de bike durante 20 minutos por dia. 

O analista comportamental Emerson Figueirêdo Simões Filho, 35 anos, garante que, do ponto de vista profissional, “não conhece ninguém que não esteja sobrecarregado”. “Neste período, tive uma crise de ansiedade, na fase em que estava tudo, absolutamente tudo fechado e a gente sentia o risco até em pedir delivery. Quando acordei assim, precisei desmarcar minhas consultas, não estava bem para os atendimentos”, comentou.

Figueirêdo retomou sua própria terapia e recorreu à rotina de exercícios intensos, praticando caratê e kickboxing. “Comparo essa situação com uma corda de violão: você pode apertar aqui e ali, mas, em algum momento, ela pode acabar rompendo. No meu caso, claro, ajudou ser terapeuta, o autoconhecimento, conhecer as técnicas e a rede de amigos”, comentou.

Para a mestra e psicóloga pelo Instituto de Psicologia da USP Laís Nicolodi, 26 anos, o atendimento online foi um fator de estresse para muitos profissionais. “Pacientes com alta voltaram. O aumento de demanda lotou as agendas e ficou difícil até encaminhar pacientes para outros colegas”, disse. “Neste contexto, atender de casa (online) foi um desafio – que a princípio parecia positivo. Mas o que aconteceu é que houve um aumento de agenda, de disponibilidade. A gente passou a viver e a morar dentro do trabalho. A fronteira entre o descanso e o trabalho desapareceu”, afirmou.

Descanso. Laís lembrou que o tempo para locomoção (casa/trabalho), sair para o almoço, conversar com o porteiro e outras atividades que funcionavam como reforçadores sociais foram interrompidas. “Sem mencionar a falta dos amigos e familiares. Foi um momento importante para os profissionais reconhecerem os próprios limites. Foi preciso de autocuidado e, principalmente, aprender a dizer ‘sim’ para o nosso descanso. Quando estamos bem, cuidamos melhor dos nossos pacientes. Terapeuta não é super-herói, não pode dar conta de tudo”, afirmou. 

O psicólogo Fabio Camilo, 41 anos, responsável técnico pela plataforma Vittude (atendimento online), apontou a necessidade de olhar para o profissional da saúde. “Além do aumento da demanda, é preciso lembrar que nós estamos lidando com temas difíceis, como o luto e a perda, com o estresse, a ansiedade e a depressão das pessoas. Quando os mortos deixam de ser números e passam a ter nomes, a saúde mental é algo muito importante”, falou Camilo.

Para escapar, ele próprio, de algo como o burnout, Camilo fez o máximo para manter a rotina. “Se eu acordava em determinado horário antes da pandemia, tentei respeitar o mesmo horário durante a pandemia. Faço também uma espécie de ‘detox digital’. No horário de almoço ou depois do expediente, desligo o computador e não fico com o celular nas mãos”, contou. Além do ‘detox digital’, Camilo assistiu a séries (como This Is Us), aprendeu a fazer pão e aprimorar suas habilidades culinárias.

Para a psicóloga e professora da The School of Life Desirée Cassado, nem o cenário mais otimista de avanço na vacinação e um vírus mais controlado irá impactar, à princípio, na alta demanda de trabalho para os terapeutas. “Um bom exemplo disso é o caso dos adolescentes e crianças. A retomada da rotina escolar irá mostrar o déficit acadêmico. As crianças irão voltar com menos conhecimento e com um repertório de habilidade social reduzido. O desafio deles vai começar agora. E isso também irá refletir nos consultórios. Ainda teremos muito trabalho pela frente”, disse Desirée. 

Para enfrentar tempos de exaustão profissional, Desirée se deu um presente de aniversário. “Comprei um piano. Não sabia tocar, mas estou aprendendo virtualmente. Estou lendo partitura e, recentemente, fiz um dueto com meu filho de 11 anos”, revelou. 

A psicóloga clínica Regina Sanchez, 51 anos, segurou-se na pandemia com terapia e meditação. “Sou workaholic, mas o meu processo de autoconhecimento me ajudou. Não tem outro jeito, você precisa olhar para dentro para poder ajudar o próximo. Na pandemia, meu primeiro impulso foi saber o que mais eu poderia fazer para ajudar as pessoas. Colocar meu coração e empatia no trabalho também foi importante”, comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
psicologiacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.