Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Como cortar o cabelo em casa? Veja dicas para aparar os fios na quarentena

Entenda também porque essa necessidade ou vontade está surgindo e como lidar com isso

Gabriela Marçal, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2020 | 05h00

Com a soma dos dias em quarentena aumentando e a falta de uma perspectiva sobre quando o isolamento social deixará de ser necessário para diminuir o avanço do novo coronavírus, cortar o cabelo em casa é uma possibilidade cada vez mais próxima. Aparar os próprios fios envolve riscos, mas seguir dicas de quem já se aventurou por esse caminho é uma boa saída. 

Os homens já devem estar se deparando com essa necessidade, pois geralmente costumam procurar um cabeleireiro a cada 15 dias ou uma vez ao mês. Usar a máquina de cortar cabelo é a opção mais segura para esse grupo. “Não é necessário raspar, tem aqueles garfos que você pode colocar e controlar o comprimento, o número oito é o que deixa os fios mais longos”, diz o cabeleireiro Neandro Ferreira.

O analista de comunicação Alexandre Gonçalves Júnior estava com o cabelo mais longo do que costuma usar e ao ter que fazer home office se deparou com a dificuldade de arrumar os fios para as reuniões em vídeo. Isso combinado ao tédio de estar confinado em casa há duas semanas, o levou a colocar o aparelho em ação. 

“Ficou com alguns ‘errinhos’, um tufinho de um lado, uns ‘cabelinhos’ de outro, uma parte mais alta, mas depois meu namorado me ajudou a consertar”, avalia Alexandre. 

Para quem quiser seguir o exemplo dele, o analista de comunicação explica que é importante ter um ‘assistente’ em casa para verificar e consertar, se necessário, a parte de trás do corte. “Você não vai conseguir fazer um trabalho muito bom sozinho”, diz.

Ele, que pode contar com uma ajuda, ficou satisfeito com o resultado. “Eu precisava tentar movimentar a rotina, entrar no ‘look’ da quarentena para me adaptar psicologicamente e esteticamente. Agora não tem essa de acordar com o cabelo amassado, não preciso mais participar da reunião [online] com o cabelo todo desgrenhado. Estou me sentindo bem mais leve.”

As mulheres que também estiverem precisando atualizar o visual podem cortar a franja. Essa escolha simplifica o corte por se tratar da região da frente do cabelo que é bem mais fácil de ser visualizada. 

O cabeleireiro Neandro Ferreira acredita que a franja longa com movimento é a mais indicada para as amadoras que vão se arriscar com uma tesoura. “Se não der certo a gente tem comprimento para consertar. Quando se opta por uma franja mais curta, o risco é muito maior de não poder disfarçar um erro.” 

Os profissionais podem até ficar com os cabelos em pé vendo as pessoas se arriscarem em casa com as tesouras. No entanto, essa já era uma realidade para algumas pessoas antes mesmo da quarentena. Como é o caso da publicitária Cristiane Rodrigues que cuida da mãe Elita de Almeida, de 87 anos, que tem dificuldades para se locomover e fica constrangida ao ir no salão. 

Cristiane conta que desenvolveu sua habilidade para fazer o necessário observando cabeleireiros e assistindo vídeos na internet, mas ressalta que é preciso fazer uma seleção do que é realmente útil. 

“Não dá para fazer aqueles cortes de cabelo incríveis que você vê dos cabeleireiros top, mas dá para você fazer o básico do básico. As primeiras vezes são muito difíceis, então vão com calma”, indica a publicitária.

Já Miriam Paranhos Tacla é reponsável há anos por aparar a própria franja. “Os cabeleireiros não conseguem arrumar”, conta sobre o topete que já é uma assinatura do seu estilo. Assim, naturalmente, a assessora de imprensa criou a tradição de cortar as pontinhas do cabelo das netas no “salão da vovó”. Ela indica cortar os fios secos, aos poucos e com calma. 

A youtuber Isabelle Mantini, que tem o hábito de se cuidar em casa e ir ao salão de beleza apenas algumas vezes ao ano, também recomenda não se aventurar com a tesoura quando o cabelo estiver molhado. 

Isabelle é adepta da técnica de amarrar os cabelos na frente da cabeça para fazer o corte, ela conta que adota o truque de cortar um dedo mais longo do comprimento desejado para ter margem para fazer ajustes. Ainda assim, a jovem faz uma ressalva: “para quem tem o cabelo curto é mais difícil e arriscado”. As donas de cabelos pequenos podem prendê-los em um rabo baixo atrás da cabeça para cortá-los.

Dicas para homens

  • Use a máquina de cortar cabelo: Para o público masculino, usar a máquina de cortar o cabelo é o método mais seguro. O aparelho, geralmente, vem com oito pentes para serem acoplados.
  • Acessório correto: Os pentes da máquina, que são identificados por números, definem o comprimento dos fios. O pente 1 é o que deixa o cabelo raspado; conforme os números aumentam o comprimento do cabelo após o corte também será maior. Sendo assim, o pente 8 é o que deixa os fios mais longos.
  • Tenha um ajudante: Se estiver com companhia durante a quarentena ela pode ser bastante útil para confirmar se está tudo certo na parte de trás do cabelo.
  • Espelho, espelho meu: Será que ficou alguma falha na parte de trás? Além do espelho principal para se olhar de frente, tenha um espelho que você possa segurar nas mãos e posicioná-lo atrás e você para conferir a parte posterior da cabeça.
  • Boa iluminação: Escolha um lugar bem iluminado para ser o seu salão de beleza particular, assim a chance de errar será menor.

Dicas para mulheres

  • Tenha calma: Vá cortando aos poucos. É melhor ter que aparar uma mesma mecha várias vezes do que tirar demais o comprimento e não ter como voltar atrás. 
  • Tenha o material apropriado: É fundamental ter uma tesoura afiada, espelho e um pente fino para ajudar a separar as mechas e camadas do cabelo. 
  • Corte o cabelo seco: Se cortar os fios molhados, quando secarem podem ficar bem mais curtos do que o planejado. Ao aparar o cabelo seco, há mais controle sobre o resultado do corte.
  • Corte mais longo do que o desejado: Mesmo se o cabelo estiver seco, ainda poderá subir um pouco naturalmente após o corte. Então, se quer uma franja na sobrancelha, primeiro corte na altura do nariz; se deseja os fios na altura das orelhas, inicialmente apare nos ombros. 
  • Corte apenas a franja: Essa dica pode rapidamente se tornar uma cilada, portanto preste atenção. Cortar a franja é um bom caminho, pois exige lidar apenas com os fios da frente da cabeça. Agora, lembra da orientação anterior sobre ter calma e ir aos poucos? Ela é fundamental para você não se tornar uma piada pronta com a franja curta demais. 
  • Tenha um ajudante: Se estiver com companhia durante a quarentena ela pode ser bastante útil para confirmar se está tudo certo na parte de trás do cabelo.
  • Espelho, espelho meu: Será que ficou alguma falha na parte de trás? Além do espelho principal para se olhar de frente, tenha um espelho que você possa segurar nas mãos e posicioná-lo atrás e você para conferir a parte posterior da cabeça.
  • Use a internet com moderação: Vídeos no YouTube podem ser uma inspiração, mas dificilmente apenas um ou até mesmo três vão trazer todas as informações necessárias para um corte de cabelo razoável. As redes sociais podem ser usadas, mas filtre apenas as indicações que são úteis para você e busque em perfis diferentes para tirar todas as suas dúvidas.

Cabeça vazia oficina do... ‘vou cortar o cabelo sozinho’ 

Como cortar o cabelo em casa? Respondendo a essa pergunta, a primeira dica que os cabeleireiros Neandro Ferreira e Sandro Dessou deram para quem quer cortar as próprias madeixas foi: não faça isso! Os profissionais das tesouras se mostraram céticos frente ao relato de que as pessoas já têm essa necessidade. 

“O corte, principalmente para a mulher, é algo que vai além de tirar um pedacinho do cabelo. Eu vejo esse movimento mais como uma fuga, eu não vejo uma necessidade muito grande de se cortar o cabelo. Costumo dizer que quando a mulher não consegue resolver uma coisa, ela vai lá e corta o cabelo. É muito mais psicológico do que uma necessidade de tirar um pedacinho ou um ‘pedação’ de cabelo”, diz Sandro Dessou que trabalha no salão de beleza Maison Jacques Janine.

Para o cabeleireiro Neandro Ferreira, esse desejo de pegar uma tesoura ou uma máquina e mudar o estilo dos fios também é indicativo de anseios mais profundos. “A pessoa quando senta na minha cadeira ela quer atenção, ela quer ser cuidada com carinho. Nós somos tipo um psicólogo, é bem complexo.” 

Essa conversa nos levou a especialista de uma outra área: a doutora em psicanálise Andrea Ladislau que vê um desejo de melhoria e uma perspectiva de futuro em meio a tempos difíceis. “Normalmente, o cabelo está muito ligado a autoestima. O corte faz parte de uma melhoria da imagem pessoal.” 

E a atitude durante a quarentena traz ainda mais benefícios psicológicos e empoderamento. “Tem uma conotação de autonomia ‘eu consegui cortar o meu cabelo sozinha’”, afirma Ladislau. Isso tudo no cenário mais otimista. 

No entanto, os profissionais mais experientes em cuidar dos fios acreditam que a chance de um resultado positivo é bem pequena. “Os vídeos de mulheres que cortam o próprio cabelo dificilmente viram inspiração para outras cortarem o cabelo, pelo contrário viram chacota. São as exceções que dão certo, não podemos transformar em regra”, afirma Dessou.

A psicanalista concorda e alerta. “Não sendo especialista você corre o risco de errar e não sair perfeito como gostaria. Pode juntar essa frustração com o período de incertezas e insegurança e as coisas vão ficar muito mais complicadas. A pessoa pode ficar muito mais depressiva.”

Andrea Ladislau indica aproveitar o tempo de isolamento social para buscar o autoconhecimento. Entenda se essa urgência para aparar os fios é momentânea ou até mesmo uma sucessão de angústias causadas pela pandemia. 

“As mudanças são muito bem-vindas, por outro lado agir por impulso pode gerar um grande arrependimento, frustração e prejudicar a autoestima. É importante entender que essa crise vai passar, e em breve você poderá voltar a um salão de beleza”, pondera a psicanalista.

O ator Gabriel Braga Nunes, cliente de Neandro Ferreira, chegou a enviar uma foto para o cabeleireiro para consultá-lo sobre a necessidade de cortar os fios. “O cabelo dele está ‘rock and roll’ e vai aguentar mais um pouco. Estou pedindo paciência para as pessoas que atendo. Segure o máximo que for possível, porque não sabemos quanto tempo ficaremos nessa quarentena”, conta Ferreira que também cuida das madeixas de Costanza Pascolato.

Já  o cabeleireiro Sandro Dessou, da Maison Jacques Janine, indica fazer um penteado para se entreter e ainda mudar o visual. Ele mesmo passou por essa situação com a filha Sara, de 19 anos, e acabou produzindo as madeixas da jovem como se ela fosse para uma festa, no entanto, com as restrições causadas pelo novo coronavírus, ela acabou apenas assistindo televisão. O profissional compartilhou o resultado da produção em seu Instagram e ainda desafiou os seguidores a reproduzirem o penteado.

O cabeleireiro Neandro Ferreira, que concorda com a estratégia, ainda sugere acessórios para incrementar a proposta. Ele também está usando a rede social para se manter próximo dos clientes. Toda quarta-feira, às 17h, ele tira dúvidas dos seguidores sobre os mais diversos temas envolvendo sua profissão.

 Dicas para mudar o cabelo sem cortar

  • Use acessórios: As presilhas decoradas com aplicações, brilhos ou pérolas estão em alta e são ótimas opções para prender o cabelo ou fazer penteados. Podem ser usadas na lateral da cabeça com os fios mais livres ou para adornar rabos e coques.
  • Mude a maneira de pentear os fios: Altere o lado que joga os fios; a região em que costuma dividi-los; faça tranças, coques, rabos de cavalos altos ou mais baixos; as possibilidades são ilimitadas. 
  • Brinque com as texturas: Para quem está um pouco enjoado da própria imagem, vale experimentar texturas diferentes da natural. É possível fazer cachos com o babyliss; ondas com uma escova e o secador; ou alisar com a chapinha.
  • Use maquiagem: Inovar com a maquiagem não traz grandes consequências, se você não gostar do visual basta tirar com demaquilante. Se divirta com as cores e cosméticos.

 

Veja os memes sobre cortar o cabelo em casa

 

Tudo o que sabemos sobre:
cabeloquarentena

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.