Comidinha de mãe tem sabedoria popular

Hum... a comida de mamãe. Cheiros, gostos e pequenos defeitos que fazem pratos simples virarem verdadeiros mitos. Toda comida de mãe é intocável. Ninguém acerta o tempero como ela, ninguém deixa o bife no mesmo ponto. O estilo dessa cozinha? Uma síntese da comida do interior unida à tradição dos imigrantes, filtrada pela sabedoria popular.?Subjetivos, os sabores ficam registrados como o momento aconchegante da mãe cuidando do filho?, tenta explicar o consultor gastronômico Luiz Cintra. O componente emocional, aliado à sensação de proteção seria o ?condimento? para tornar cada receita única. ?O colo parece que vem junto com o prato?, diz.Conforto, carinho e o precioso tempo são as palavras mais citadas quando se fala da comida feita em casa. Não importa se são coisas rápidas, como um bife à milanesa, ou demoradas, como um franguinho ensopado. Caprichar bem, imaginando que a comida vai fortalecer os filhos, já faz a receita ser especial. ?A refeição é um presente para agradar a família?, diz Carlos Buzolin, filho de Neuza Torales, a mãe que ilustra esta página. E a repetição do dia-a-dia faz o que pode para apurar cada prato no nível máximo. ?Ingredientes, jeito de fazer e tempo no fogão não seriam nada se a comida não fosse feita com amor?, sentencia Neuza, com toda a sua autoridade de mãe.Onde comer comida da mãe (dos outros): Feira Moderna: R. Fradique Coutinho, 1.246, Vila Madalena, 3812-7431. Dona Lucinha: Av. Chibarás, 399, Moema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.