Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Comida

Eu gosto de comer. Talvez seja a coisa que eu mais goste de fazer na vida. Todo mundo precisa comer e isso eu já acho bem democrático. Cada um gosta de uma coisa diferente e tem percepções diferentes em relação aos sabores, o que já torna qualquer comida muito interessante. E comer te coloca em contato direto com o lugar onde você está, o que é bem instigante.

FÁBIO PORCHAT, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2013 | 02h10

Eu adoro viajar. Talvez seja a segunda coisa que eu mais goste de fazer na vida. Comer durante uma viagem então, é pra mim um acontecimento. É uma atração turística. Coliseu, Muralha da China, Pirâmides e um tutu à mineira em Belo Horizonte. Pra mim, é tudo a mesma coisa.

E quando eu digo comer, não é ir a um restaurante chique e importado. É ir onde a comida é mais gostosa. Na casa da minha mãe ou na Famiglia Mancini. No dogão do estádio ou naquele restaurante que serve leitão lá em Portugal. Comer envolve todos os sentidos. Se você é dos meus, sabe só pelo cheirinho vindo da área de serviço o que o seu vizinho tá preparando pro jantar. Consegue dizer que aquela coxinha da padoca é perfeita só de olhar ela deitadinha ali no papel toalha. Sabe que aquela fatia de bolo vale a pena desde o momento em que você pegou nela com a mão. Se você já foi a uma feira, sabe que aquele barulhinho da fritura do pastel é impagável. E, assim que você coloca uma comida na boca, não tem erro: ou é boa, ou não é. E quando é... Ah... E eu gosto de coletar dicas de restaurantes pelo Brasil e pelo mundo com conhecidos. Tento testar todos.

Todo mundo tem um restaurante que vai lembrar pelo resto da vida. E comida boa a gente não lembra, a gente descreve em detalhes pra pessoa que estiver ao lado. Ninguém come um polvo com arroz de brócolis inesquecível. Você come um polvo grelhado no azeite, puxado no alho e na manteiga até ele ficar tostadinho e depois você joga um limãozinho por cima pra acompanhar aquele arroz soltinho e verdinho de um brócolis que derrete na boca. Isso é um polvo com arroz de brócolis memorável.

Outra forma de descrever uma comida deliciosa é o adjetivo ser algum parente da sua família. Por exemplo: a farofa da minha mãe. Se é da sua mãe, eu não tenho a menor dúvida de que ela é a melhor farofa do mundo. O coquetel de camarão da Tia Dirce. Imbatível. O frango com quiabo do meu padrasto. Perfeito. Você sabe quando alguém não gostou muito do prato se quando você pergunta: gostou? A pessoa responde: gostei. Não gostou. Se tivesse gostado respondia: muito! Quem come sabe. Muito - é porque é muito. Gostei - é porque é o que tinha. Esse natal eu vou passar longe da minha família. Uma pena saber que perderei todas aquelas comidas maravilhosas que as minhas tias fazem. Mas com certeza alguém lá vai ficar feliz com isso. Porque vai sobrar mais! Bem mais, porque eu como. Eu gosto de comer. Muito. fabio.porchat@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:
FABIO PORCHAT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.