Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Comer ou não comer, eis a questão!

Meus amigos, me encontro diante de uma dúvida cruel. A questão é: parar de comer carne. Vermelha, branca, verde, azul, não importa

Fábio Porchat, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2015 | 03h00

Meus amigos, me encontro diante de uma dúvida cruel. A questão é: parar de comer carne. Vermelha, branca, verde, azul, não importa. Eu gosto de carne, de todas, acho que somos feitos para (também) comer carne, todas e não gostaria de parar de comer carne, nenhuma. Mas a forma como os animais são mortos para que essa carne, todas, cheguem até o meu prato, me deixa muito incomodado. 

Nós estamos torturando milhões de bichos. Torturando-os das piores formas possíveis. E todo mundo tá ok com isso? O modo como são tratados ainda no útero até o abate é medieval, é um nível de maldade praticada que me tira o apetite. O que injetam neles, o que dão de comer, a forma como eles ficam enjaulados. 

Não vou nem entrar na seara dos desmatamentos para a criação de gado, ou o desequilíbrio ambiental que a pesca agressiva gera. Vou ficar só na parte da maldade mesmo. Só que, ao mesmo tempo em que sofro com tudo isso, não acho errado matar um bicho para comer. Se vou para a fazenda e um tio pega uma das galinhas para transformá-la em janta, não vejo problema nenhum nisso. Deu pra entender a dúvida, agora? Como faço para comer apenas carne de bichos que não tenham sofrido as piores aflições do mundo? Existe essa possibilidade? Porque o que se vê sempre é: ou eu não tô nem aí e como tudo sem peso na consciência ou nunca mais como bicho nenhum. 

Eu estou no meio do caminho. Quero comer, mas não quero tortura. Passei apenas a consumir frango orgânico, mas já me disseram que eles são mortos de forma horripilante também, a diferença é que não recebem hormônios ou sei lá que raios injetam nas aves. Existe carne vermelha com um selo que garantia de que o bicho não sofreu maus-tratos? E os peixes? 

Eu adoro comida japonesa, mas já li que o salmão que comemos não é salmão, é um peixe artificialmente tingido de laranja e que não tem nenhuma propriedade benéfica para nós. Os restaurantes e supermercados podiam começar um movimento de não comprar carne, qualquer uma delas, de produtores que não respeitassem certas regras. E ainda tem o leite, os ovos, o couro e todos os derivados dessas mortes horrendas. Porque o vegetariano não come carne com pena dos bichos, mas come massa que leva leite e ovos. A forma utilizada para retirar esse leite ou coletar os ovos é de deixar torturador da ditadura ruborizado. Eu quero que alguém me ajude e me diga se nesse caso é só 8 ou 80, ou se posso ficar na coluna do meio, de algum jeito.

*

PS: Assistam no youtube.com a um documentário chamado A Carne É Fraca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.