Começa Viagem Nestlê pela Literatura

As inscrições para a segunda edição do projeto Viagem Nestlé pela Literatura, promovido pela Fundação Nestlé de Cultura, estão abertas. Cerca de 3.500 escolas do ensino médio (2.º grau) de todo o País já decidiram participar - até agora, a maioria delas é de São Paulo e Minas Gerais.Os organizadores encerrarão as inscrições quando elas atingirem o número de 7 mil. No ano passado, o total de escolas que se inscreveram chegou a 6 mil - cerca de 3.500 delas produziram trabalhos, avaliados pela equipe do projeto. A viagem pela literatura, neste ano, terá um investimento de R$ 2,5 milhões, com apoio da Lei Rouanet. Na edição do ano passado, o valor era menor, de R$ 1,7 milhão.O programa distribui livros de autores brasileiros e premia dez escolas. No total, 75 mil exemplares serão encaminhados às instituições. Nesse ano, as escolas participantes receberão A Morte e a Morte de Quincas Berro D´Água, de Jorge Amado, Um Certo Capitão Rodrigo, de Érico Veríssimo, O Quinze, de Rachel de Queiroz, O Grande Mentecapto, de Fernando Sabino, e Libertinagem e Estrela da Manhã, de Manuel Bandeira. Os quatro primeiros títulos são obras que se utilizam da cultura regional como fonte de criação: Bahia, Rio Grande do Sul, Ceará e Minas Gerais. O quinto livro é o lugar reservado pelo projeto para a poesia.Nesse ano, a viagem pela literatura é, portanto, espacial. Procura debater as diferenças culturais de cada região do Brasil. No ano passado, o enfoque era mais histórico: os textos mostravam o cotidiano de diferentes épocas históricas do Brasil, utilizando textos de cronistas do período do Descobrimento (Pero Vaz de Caminha, Hans Staden e outros) e obras dos séculos 19 (O Cortiço, de Aluízio Azevedo, e Dom Casmurro, de Machado de Assis) e 20 (Fogo Morto, de José Lins do Rego), além de Sentimento do Mundo, de Carlos Drummond de Andrade.Cada escola inscrita recebe um kit, composto por duas cópias de cada livro, um caleidoscópio, seis jogos de cartas e dados relacionados aos livros, imagens dos pintores Ismael Nery e Volpi e gravações e letras de músicas.A escola participante deve montar um único grupo de até 20 alunos, coordenado por dois professores, para orientar a leitura. O time deve produzir um trabalho, discutindo o tema Pluralidade Cultural: o Sabor da Diversidade Revelado pela Arte Literária Brasileira. O prazo para entrega do texto vai até o dia 31 de outubro. A entrega do prêmio deve ocorrer na primeira semana de dezembro.Segundo a coordenadora do projeto, Martha Avian, o objetivo é incentivar os alunos a produzirem cultura a partir da reflexão que os textos podem gerar. "Procuramos, por meio do uso desses títulos, instrumentalizar o professor para que ele possa seduzir e induzir à leitura", explica ela. Por isso, a opção pelo lúdico, pelos jogos, criados por uma equipe de pedagogos, que ajudarão os professores a discutirem semelhanças e diferenças regionais no País.O projeto, além de incentivar a imersão do jovem no mundo da leitura, procura estimular a criação coletiva - o que, para os organizadores, enriqueceria a formação ética. As dez escolas vencedoras receberão R$ 8 mil em benefícios, escolhidos pela própria instituição, pública ou particular. Os dois professores que coordenarem o projeto ganharão R$ 8 mil cada um. E, para cada aluno integrante da equipe, será aberta uma caderneta de poupança de R$ 1 mil.Uma das três escolas que receberam o prêmio no ano passado, a Escola Estadual Francisco Campos, de Dores do Indaiá (MG) utilizou o valor para reformar a quadra de esportes, que estava deteriorada. Segundo a direção da instituição, o concurso ajudou os alunos a acreditarem mais na própria capacidade e a valorizar a escola pública.A Fundação Nestlé enviou informações sobre o concurso e a ficha de inscrição para as 17.729 escolas do ensino médio cadastradas pelo Ministério da Educação. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (0- -11) 5508-9406, 0800-107121 ou no site www.nestle.com.br.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.