Começa hoje 18º Festival É Tudo Verdade em SP

Algo vai se passar nesta quinta-feira à noite na tela do Cine Livraria Cultura, na abertura do 18.º Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade. O evento criado por Amir Labaki atinge sua maioridade. Neste tempo todo, Labaki e o público - e o É Tudo Verdade foi decisivo no processo - viram a cultura do documentário se estabelecer no País e no mundo. Antes ele ocupava um nicho pequeno, e era didático ou militante. Hoje Labaki é o primeiro a reconhecer que o documentário deixou de ocupar uma posição meio marginal e se deslocou para o centro da cultura, ficou cada vez mais rico em termos de diversidade e linguagem. O algo que vai se passar nesta noite diz respeito ao filme que ele selecionou para inaugurar o 18.º É Tudo Verdade.

AE, Agência Estado

04 de abril de 2013 | 10h05

Mas antes de falar do milagre de "Paulo Moura - Alma Brasileira", da epifania que o filme de Eduardo Escorel provoca, é preciso acrescentar que o É Tudo Verdade começa na sexta-feira no Rio com outro filme, "Plimpton! Estrelando George Plimpton Como Ele Mesmo", de Tom Bean e Luke Poling. Emoção na abertura paulista, humor na carioca. Até dia 14, e antes de itinerar por Brasília e Campinas, o 18.º É Tudo Verdade mostra nas duas capitais 82 filmes de 26 países. Além das competições nacional e internacional e das seções já tradicionais - Estado das Coisas e Foco Latino -, o evento mantém o foco na política. Projeções e debates celebram o "Jango" de Sílvio Tendler e utilizam o filme e seus bastidores para antecipar a discussão sobre os 50 anos do golpe militar de 1964. E há a retrospectiva - Amir Labaki considera a deste ano a mais importante do É Tudo Verdade. Ele traz ao Brasil a obra de um dos pais do documentário, Dziga Vertov, incluindo "O Homem com a Câmera", primeiro documentário a integrar a seleta lista dos dez maiores filmes de todos os tempos, na votação da revista "Sight and Sound".

Tudo isso é estimulante, mas há, na abertura em São Paulo, o "Paulo Moura", de Escorel, que se candidata, desde logo, ao título de um dos grandes documentários do cinema brasileiro. Inscreve-se numa linhagem que começou com "Cabra Marcado para Morrer", de Eduardo Coutinho, e prosseguiu com "Santiago", de João Moreira Salles. Nos dois, você encontra, e não é mera coincidência, o nome de Escorel como montador. Foram filmes que nasceram sob o signo da dificuldade e até da impossibilidade. Para fazer o primeiro, Coutinho retomou uma ficção que havia ficado interrompida pelo golpe militar. E João também teve de retomar "Santiago", porque num determinado ponto ficou bloqueado para prosseguir com o filme que, por meio da história do mordomo da família Salles, era também autobiográfico, mais do que pessoal.

Na abertura de "Paulo Moura - Alma Brasileira", a tela preta propõe um desafio. O próprio Escorel conta como o projeto surgiu em sua vida, como levantou os recursos e como Paulo Moura foi internado e morreu - aos 77 anos, em 2010 -, antes que ele pudesse filmar. Ainda com a tela escura, Escorel se pergunta o que deveria ter feito - desistir? Foi o mesmo dilema de Wim Wenders, ao conceber seu documentário sobre Pina Bausch. Como se reinventa um filme que parece inviável?

Escorel perseverou e o resultado toca o sublime. Como ele conta numa entrevista por telefone, ninguém monta impunemente filmes como "Cabra" e "Santiago", e antes deles, "Terra em Transe", de Glauber Rocha. O cinema torna-se o próprio motivo dos filmes. Ele não queria fazer um documentário de arquivo, mas fez. Teve o privilégio de contar com material inédito cedido por Mika Kaurismaki, que utilizou pouco de sua entrevista com Paulo Moura para o documentário "Brasileirinho".

Paulo fala de sua formação, das parcerias. Sua mulher, a psicanalista Halina Grynberg, abre uma caixa e complementa as lembranças com fotos e relatos. O que emerge disso tudo, e das reflexões em off de Escorel, é o retrato de um homem e artista que foram extraordinários. Zuza Homem de Mello, com sua autoridade, apresenta Paulo Moura como o maior nome da música instrumental brasileira. O artista que fez o casamento do popular com o clássico, que misturou samba, forró e jazz. Clarinetista, saxofonista, compositor, arranjador e regente, Paulo Moura tem 25 músicas apresentadas no documentário. Elas terminam por ilustrar não apenas o grau de exigência do artista, mas o próprio título - "Alma Brasileira", que Paulo expressou musicalmente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemafestivalÉ Tudo Verdade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.