Começa a feira de livros de Havana

Cerca de 5 milhõs de livros serão colocados à venda na 12.ª Feira Internacional do Livro de Havana, dedicada este ano à Comunidade das Nações Andinas: Bolívia, Equador, Colômbia, Peru e Venezuela. O homenageado do evento será o poeta e escritor cubano Pablo Armando Fernández.Inaugurada hoje, a feira abre na sexta para o público cubano e visitantes estrangeiros contando com a participação de 21 países em uma área de 2.100 metros quadrados na Fortaleza Morro Cabañas, um emblemático munumento do século 17 desenhado pelo arquiteto italiano Bautista Antonelli.Quatorze províncias cubanas participam da feira que distribuirá obras dos escritores Noam Chomsky, da ganhadora do prêmio Nobel da Paz Rigoberta Menchú, Rosa Regaz e Mempo Giardinelli, que cederam seus direitos autorais para editoras cubanas.Entre os intelectuais convidados figuram o equatoriano Jorge Hentique Adoum, o venezuelano Luis Brito García, o boliviano José Antonio Quiroga, o mexicano Luis Suárez, o argentino Miguel Bonasso, o norte-americano William Kennedy, o espanhol Justo Jorge Padrón e o italiano Piero Greijef, autor de Missão Conflitiva, um livro sobre a invasão dos Estados Unidos na África na década de 70.Encontros literários sobre a poesia andina serão o ponto alto da feira que vai até o dia 9, nos quais serão discutidos o pensamento de José Martí, a obra de Nicolás Guillén e Alejo Carpentier. Prêmios às melhores obras publicadas em 2002 também serão concedidos durante a feira.O poeta e escritor cubano Pablo Armando Fernández agradeceu a homenagem e lembrou em entrevista à imprensa que há 50 anos publicou seu primeiro livro graças a Cintio Vitier, que recentemente recebeu o Prêmio Juan Rulfo, e lembrou também do poeta Federico García Lorca, que segundo ele foi "quem inspirou meus primeiros versos".Fernández recebeu o Prmio Nacional de Literatura e^m 1996, é membro da Academia Cubana de Letras e correspondente da Real Academia. O escritor agradeceu também a seus leitores, dizendo: "tenho sido lido nos cinco continentes e traduzido em 30 idiomas, graças ao povo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.