Começa a 5.ª Bienal do Mercosul

O tema da 5.ª Bienal do Mercosul, que será inaugurada nesta sexta-feira para convidados no Santander Cultural de Porto Alegre (com a presença do ministro Gilberto Gil) e no sábado, para o público, não é autoral, como diz seu curador-geral, o carioca Paulo Sergio Duarte. Na mostra que reúne 173 expositores de 7 países, com 86 artistas brasileiros e 87 estrangeiros, Duarte recorreu à história da arte e a uma questão básica: a noção de espaço. A mostra não se restringe aos países do Mercosul e cada vez mais se expande, deixando para trás a hegemonia do eixo Rio-São Paulo. Esta edição, que acontece até 4 de dezembro, ocupará nove espaços da capital gaúcha, não somente instituições, como a orla do Rio Guaíba e armazéns do Cais do Porto. E deixará para a posterioridade obras públicas criadas por Carmela Gross, Waltércio Caldas, José Resende e Mauro Fuke. Já que é o espaço a questão central, nada mais coerente do que colocar o escultor mineiro Amilcar de Castro (1920-2002), o mestre dos cortes e dobras, como grande homenageado. Será dedicada a ele uma retrospectiva com 51 esculturas (algumas monumentais), mas haverá também o Amilcar pintor e o artista gráfico, responsável pela reformulação do Jornal do Brasil na década de 50. "Ele trouxe seu olhar poético para o dia-a-dia", diz o curador. Para destrinchar Histórias da Arte e do Espaço, Paulo Sergio Duarte contou com os curadores adjuntos Gaudêncio Fidelis e José Francisco Alves e com curadores dos outros países (Argentina, Bolívia, México, Chile, Paraguai e Uruguai). A exposição é formada por quatro vetores temáticos: Da Escultura à Instalação, que tem núcleo histórico com obras das décadas de 1940 e 1960 e núcleo contemporâneo; Transformações do Espaço Público com intervenções públicas de artistas como Nuno Ramos, Nelson Felix e Iran do Espírito Santo e as obras permanentes; Direções no Novo Espaço, o maior, na Usina do Gasômetro; e A Persistência da Pintura porque ela não morreu. Há ainda, a mostra especial Fronteiras da Linguagem com os convidados Ilya Kabakov e Stephen Vitiello, a sérvia Marina Abramovich, percussora das performances, e o cineasta francês Pierre Coulibeuf, que também terá, a partir de segunda-feira mostra em São Paulo no Itaú Cultural. Serviço: Pierre Coulibeuf - O Demônio da Passagem. Sala Itaú Cultural (270 lug.). Av. Paulista, 149, 2168-1776. 2.ª , às 20h e 6.ª, às 18h e às 20h, Balkan Baroque; 3.ª, às 18h e às 20h, Michel Butor Mobile; 4.ª (5), às 18h e às 20h, C´est de l´art; 5.ª, às 18h e às 20h, Klossowski, Peintre-Exorciste, Le Démon du Passage, Lost Paradise; Sáb., às 16h e às 18h, Les Guerriers de la Beauté. Grátis (retirar ingressos meia hora antes). Filmes serão exibidos com legendas em espanhol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.