Scott Kowalchyk/CBS
Scott Kowalchyk/CBS

Com xingamento, apresentador ironiza decisão de Trump de banir transgêneros do exército dos EUA

Além de Stephen Colbert, outros artistas repudiaram a decisão do presidente dos EUA de proibir pessoas trans de exercer qualquer cargo no exército

O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2017 | 11h37

O apresentador Stephen Colbert, um dos maiores críticos ao governo Donald Trump na TV dos EUA, repudiou a decisão do presidente, de proibir pessoas transgêneros de exercer qualquer cargo no exército do país, em seu programa de 'late show' na noite de quarta-feira, 26. 

Mais cedo, na quarta-feira, Trump havia anunciado a decisão pelo Twitter, com a justificativa de cortar os gastos médicos com as pessoas trans no exército. Após ler os tweets do presidente, que terminam com um "obrigado", em agradecimento, Colbert rebateu. "Obrigado? F*-se", disse, recebendo aplausos de apoio da sua plateia. 

Para o apresentador, a decisão de Trump foi desumana. "Hoje, ele passou de louco para cruel", afirmou. 

A decisão de Trump foi repudiada também por outros artistas e personalidades dos EUA. Caitlyn Jenner, ex-atleta trans dos EUA, que apoiou o atual presidente nas últimas eleições, se disse decepcionada. "Há 15 mil transgêneros patriotas no exército dos EUA lutando por nós. O que houve com a sua promessa de lutar por eles?", questionou Jenner no Twitter. 

Laverne Cox, atriz transexual revelada em Orange Is The New Black, também criticou a decisão de Trump. "Meus companheiros trans norte-americanos, apesar do que alguém possa dizer, sua existência é valiosa. Suas vidas, segurança e trabalho importam", declarou.

Uma das maiores defensoras públicas da comunidade LGBT, a cantora Lady Gaga relatou, também no Twitter, a dificuldade enfrentada por jovens transexuais nos EUA, mencionando a página de Trump na rede social. "A mensagem que você mandou traz perigo para a vida de pessoas nos EUA e em outros países que estão servindo bravamente à nossa nação, presidente."

"Pesquisas mostram que pelo menos metade dos jovens estudantes ou empregados raramente, ou nunca, discutem problemas psicológicos", escreveu Gaga. "Muitas dessas pessoas são trans e sofre diariamente o tipo exato de isolamento social que a sua mensagem encoraja, presidente."

Lady Gaga termina o seu desabafo exaltando a força dos transexuais. "Dentro da comunidade trans, muitos são fortes e destemidos. Eles deveriam poder servir, se quiserem."

Veja, abaixo, o monólogo de Stephen Colbert, na abertura de seu programa, sobre a decisão de Trump.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.