Divulgação
Divulgação

Com voz de Johnny Depp, 'Rango' chega ao Brasil

Animação marca mais uma parceria entre o diretor Gore Verbinski ('Piratas do Caribe') e o ator

AE, Agência Estado

10 de março de 2011 | 09h42

Depois de quebrar o recorde deste ano nos Estados Unidos de maior bilheteria de estreia num fim de semana sem feriado, arrecadando U$ 38 milhões no sábado e domingo passados, Rango chega aos cinemas nacionais. A animação digital, que aposta no tradicional 2D e dispensa óculos e outros recursos 3D, marca mais uma parceria entre o diretor Gore Verbinski, o mesmo da franquia Piratas do Caribe, e Johnny Depp, que empresta sua voz e movimentos ao simpático protagonista.

Rango é um camaleão de estimação que passa os dias imaginando aventuras dentro do aquário. Durante uma viagem, ele se perde da sua família no meio do Deserto de Mojave. Sem noção dos perigos do mundo real, o animal logo encontra predadores prontos para comê-lo. Ao tentar fugir de uma ave, ele vai parar no povoado de Dirt (que, na versão dublada, foi traduzido como "Poeira"), a última vila do Oeste.

Com seu jeito desastrado, mas metido a valentão, Rango se sai bem, graças a uma dose imensa de sorte, que faz com que ele esteja sempre no lugar certo, na hora certa. Assim, depois de derrotar a ave que o perseguia, Rango é aplaudido pela população, que também sofria com as investidas do bicho, e nomeado xerife da árida cidade.

Enquanto o lagarto começa a entender os problemas que assolam os moradores de Dirt, entram em cena figuras típicas de longas metragens do cinema western: políticos corruptos, pistoleiros, rancheiros nervosos, crianças com armas nas mãos e mulheres corajosas, mas doces.

Para dar vida aos personagens, Verbinski e o diretor de animação do filme, Hal Hickel, quiseram mais do que apenas as vozes dos atores. Usando trajes típicos do Velho Oeste, o elenco, que, além de Depp, conta com Isla Fisher, Alfred Molina, Harry Dean Stanton, Ned Beatty e Ray Winstone, foi convocado para representar as cenas do filme em sets temporários.

Os 24 dias de gravação em câmera HD serviram para inspirar a equipe de animação, que incorporou no desenho os trejeitos que os atores criaram para seus personagens. Durante o processo, uma carroça chegou a ser levada para o set, que ganhou também um grande saloon, com bar de madeira e portas vai e vem. O resultado dessa empreitada pode ser reconhecido nos gestos do grupo de criaturas grotescas, peludas e escamosas que se reúnem no filme. Em Rango, é fácil perceber o olhar e os gestos de Johnny Depp por trás do camaleão. Aliás, em toda a produção, há um ar excêntrico que lembra o visual peculiar dos filmes da série "Piratas do Caribe". As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaRangoJohnny Depp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.