AP
AP

Com três prêmios, 'Boyhood' é o grande vencedor do Globo de Ouro 2015; veja a lista

Longa desbancou 'Birdman'; noite, no entanto, foi de Michael Keaton

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

12 Janeiro 2015 | 02h43

Se pudéssemos resumir a 72ª edição do Globo de Ouro, que foi realizada em Los Angeles na noite deste domingo, 11, seria mais ou menos assim: a premiação consagrou o filme Boyhood, com os troféus de melhor drama, melhor diretor para Richard Linklater e melhor atriz coadjuvante para Patricia Arquette. O longa também desbancou o favorito da noite, Birdman, que levou apenas duas (melhor ator de comédia e melhor roteiro) das sete indicações que recebeu.

Antes, foi o red carpet e no tapete vermelho ninguém foi mais bela do que a ex-bondgirl Rosamund Pike. Indicada para o Globo de Ouro de melhor atriz de drama por Gone Girl/Garota Exemplar, ela usou um vestido ousado - que todo mundo fez ginástica para ver pelo que mostrava na lateral. Também fez sensação o homenageado George Clooney - que receberia o Prêmio Cecil B. de Mille. Ele usou no red carpet um broche com a frase 'Je suis Charlie/I am Charlie', solidário com as vítimas do ataque terrorista em Paris. Às 23h do Brasil, depois de duas horas de mundanidade, a festa realmente começou.

Entregue desde 1944 pela Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, o Globo de Ouro contempla os melhores do cinema e da televisão. Para muita gente, é o prêmio de maior prestígio, porque é atribuído pela crítica. O Oscar e o Emmy são prêmios da própria indústria do entretenimento. A edição deste ano foi a de número 72. Na primeira, a TV ainda não era massificada e os concorrentes foram só de cinema. Este ano, a premiação de TV foi extensa, mas o cinema continua sendo a cereja do bolo. Melhores atores e filmes (de cinema) foram os últimos a ser anunciados. O Grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson, venceu na categoria de comédia ou musical. Mais merecido, impossível. Michael Keaton foi melhor ator, também de comédia, por Birdman, de Alejandro González-Iñárritu. Julianne Moore, a melhor atriz de drama, por Still Alice.

O streaming ganhou espaço com Transparent, série da Amazon.com, mas a disputa de TV foi mesmo entre Fargo e True Detective, como minisséries. Cada uma recebeu, respectivamente, cinco e quatro indicações e eram as favoritas nas categorias mais importantes. A batalha principal se deu na escolha de melhor ator em minissérie. Venceu Billy Bob Thornton, pela série baseada no filme dos irmãos Coen, que ganhou o Oscar de 1996. Além de Transparent, a jovem Gina Rodriguez, melhor atriz de comédia ou musical por Jane the Virgin, foi outra estreia bem recebida - as novidades ditaram as cartas na televisão.

Quanta surpresa quando a categoria de melhor série dramática foi anunciada. The Affair, Downton Abbey, Game of Thrones, The Good Wife, House of Cards disputavam o principal prêmio da noite na televisão e a estreante The Affair, seriado do Showtime criado por Hagai Levi Sarah Treem, derrotou os bichos-papões e levou o prêmio. Ganhou também atriz para Ruth Wilson. Se House of Cards, série criada pelo serviço de streaming Netflix, ficou, novamente, sem o prêmio de melhor série, o protagonista Kevin Spacey levou, merecidamente, o prêmio de melhor ator.

A noite começou com Benedict Cumberbatch e Jennifer Aniston entregando o Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante de cinema para o veterano J.K. Simmons, espetacular como o instrutor de jazz que inferniza os calouros em Whiplash, de Damien Chazelle. Mais uma hora de prêmios só para TV e recomeçaram os Globos de Ouro do cinema. A melhor trilha foi a de A Teoria de Tudo. A melhor canção, entregue por ninguém menos que Prince, foi Glory, da trilha de Selma, sobre as grandes marchas pacíficas por direitos civis, organizadas por Martin Luther King, nos anos 1960. Por volta de meia-noite (do Brasil), saiu a melhor atriz de comédia e musical. Amy Adams ganhou por Grandes Olhos/Big Eyes, de Tim Burton.

Mais cinema - Richard Linklater venceu o prêmio de direção por Boyhood - Da Infância à Juventude. Embora a categoria de melhor filme divida-se em melhor drama e melhor comédia ou musical, cada uma com cinco indicados, os diretores são só cinco. Ele foi sincero - lembrou as dificuldades para fazer o que chamou de seu filme 'mais pessoal'. Como Treinar Seu Dragão 2 foi a melhor animação e Alejandro González Inárritu, que perdeu como diretor, ganhou o Globo de Ouro de roteiro pelo seu Birdman. O russo Leviathan, que já vencera o prêmio da crítica na Mostra de São Paulo, ficou com o Globo de Ouro de filme estrangeiro. / COLABOROU PEDRO ANTUNES

Mais conteúdo sobre:
Globo de OuroBoyhoodBirdman

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.