STR / IMAGES FRANCE TELEVISIONS / AFP
STR / IMAGES FRANCE TELEVISIONS / AFP

Com coro e capacetes, Notre-Dame volta a tocar no Natal

Os coristas executaram peças clássicas dos compositores Mozart e Schubert, mas também um repertório mais leve, incluindo 'Jingle Bells'

Reuters, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2020 | 20h26

Pela primeira vez desde um incêndio que quase a destruiu no ano passado, a catedral de Notre-Dame foi palco de um concerto de coral na véspera de Natal, uma tradição anual na França.

Em uma concessão ao fato de que a catedral gótica ainda está sendo reconstruída, os coristas usaram capacetes de construção e macacões, e não houve público.

O concerto foi gravado na catedral no início deste mês e foi transmitido pela televisão francesa pouco antes da meia-noite de quinta-feira.

Os coristas executaram peças clássicas dos compositores Mozart e Schubert, mas também um repertório mais leve, incluindo Jingle Bells.

"Foi muito comovente", disse o violoncelista Gautier Capucon, descrevendo a experiência de gravar o concerto. Junto com um organista, ele fez o acompanhamento musical do coro.

"Foi a primeira vez que todos nós voltamos à catedral de Notre-Dame desde o incêndio, então foi um momento cheio de emoção", disse ele em entrevista à emissora de televisão franceinfo.

A catedral, um marco da arquitetura gótica que data do século 13 é uma grande atração turística da França, pegou fogo em 15 de abril de 2019. O incêndio destruiu a torre e o telhado.

O presidente francês, Emmanuel Macron, comprometeu-se a restaurar a catedral em cinco anos. Mas, até o momento, a maior parte do trabalho no local se concentrou em tornar o prédio seguro, incluindo a remoção de chumbo tóxico do telhado e da torre que derreteu no incêndio.

Em abril deste ano, sete pessoas foram autorizadas a assistir a uma cerimônia religiosa na catedral para marcar a sexta-feira santa, quando os cristãos lembram a morte de Jesus Cristo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.