Coliseu volta a abrigar espetáculos

Depois de quase dois mil anos, o Coliseu de Roma, um dos maiores monumentos da Antiguidade, reabre para espetáculos. Sua arena não será mais palco de lutas de gladiadores ou martírios, mas de teatro em prosa. O programa deste ano prevê três tragédias de Sófocles, segundo informou hoje a agência italiana de notícias, Ansa.O projeto, que foi estimulado pelas comemorações do ano jubilar, está a cargo do Ministério da Cultura e Patrimônio Histórico da Itália e do Instituto Nacional para o Drama Antigo (Inda), cujo presidente é Walter Le Moli. Esta última entidade também administra a curadoria e a programação do teatro grego de Siracusa.Três diretores - Um israelita, um iraniano e outro grego - foram contratados para produzir os espetáculos. As peças Édipo, o Rei, Antígona e Édipo em Colonus, deverão ficar em cartaz entre 19 de julho a 5 de agosto.Coliseu - Localizado num vale entre os montes Palatino, Esquilino e Celio, o Coliseu é o monumento romano universalmente mais conhecido. Ele deve o seu nome ao Colosso, uma gigantesca estátua de Nero feita de bronze, com cerca de 35 metros, que ficava ao lado do anfiteatro, com vistas para o Fórum Imperial.Sua construção, de forma elíptica e revestida de mármore, foi iniciada pelo imperador Vespasiano, no século 72 d.C e terminada pelo seu filho Tito, no ano 80. O edifício, que costumava ser inteiramente coberto em dias de chuva e frio, tinha capacidade para um público de 80 mil pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.