Coliseu de Roma vai ser isolado por cerca de metal

Por medidas de segurança, o Coliseu de Roma vai ser circundado por uma cerca de metal - na primeira vez que isso acontece em seus 2 mil anos de história. A estrutura terá 2,20 metros de altura e vai ser instalada a 6 metros de distância do monumento. Haverá aberturas apenas nos pontos de entrada e saída.Na área, que será monitorada constantemente por câmeras, não vai ser permitida circulação de pessoas sem autorização. Além dos cerca de 13 mil visitantes diários, ficarão distantes outros habituais freqüentadores da região, como os vendedores de lembranças e os "gladiadores" que posam para fotos com os turistas.A decisão foi tomada pelo secretário de Segurança de Roma, Achille Serra, junto com o prefeito Walter Veltroni e o superintendente de Bens Arqueológicos da cidade, Angelo Bottini.Segundo Serra, a medida reforça o plano antiterrorismo que já está sendo aplicado na cidade. Ele garantiu, porém, que não há sinais de alarme específicos com relação ao Coliseu.Antonio Capaldo, assessor da Secretaria de Segurança, disse à BBC Brasil que a necessidade de isolar o monumento foi indicada pelo superintendente de Bens Arqueológicos. "Sendo o Coliseu um símbolo de Roma, pode ser considerado como um dos maiores alvos para um eventual ato criminoso", afirmou Capaldo.Construído entre os anos 72 e 80 D.C., o verdadeiro nome da edificação é Anfiteatro Flavio. Ele ficou conhecido como Coliseu porque na área onde foi erguido existia uma estátua colossal de Nero, representado como o Deus-Sol. A fama do Coliseu deve-se principalmente às lutas entre gladiadores que eram travadas em sua arena. Mas também passou à historia, ainda que isso não seja documentado, como o lugar onde foram martirizados os primeiros cristãos, que eram lançados em jaulas de tigres e leões. A criação de um recinto protegido em torno do Coliseu não é a única medida que visa reforçar a segurança e impedir ações terroristas.Há vários dias já estão sendo usados detectores de metal para controlar os visitantes e suas bolsas."Os detectores de metal já tinham sido usados após os atentados de Nova Iorque e de Madri", disse à BBC Brasil Rossella Rea, da Superintendência de Bens Arqueológicos.A barreira de metal que vai dar a volta em torno do Coliseu, entretanto, não é vista como a melhor solução para isolar e proteger o monumento. Mesmo porque não terá caráter definitivo.Não se trata apenas de uma questão estética, mas principalmente de segurança, segundo Rossella Rea."O único modo para protegê-lo de forma definitiva seria englobá-lo na área do foro romano, ampliando o recinto e fechando tudo como uma área monumental", disse ela. O projeto prevê que bilheteria, vendedores ambulantes e serviços higiênicos fiquem do lado de fora. Só teria acesso ao monumento quem já tivesse comprado o ingresso e passado pelo controle.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.