Colin quer ser diretor

O ator irlandês veio ao País para divulgar 'O Vingador do Futuro', que tem estreia prevista para o dia 17 de agosto

LUIZ CARLOS MERTEN / RIO, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2012 | 03h13

Colin Farrell tinha 14 anos quando viu O Vingador do Futuro original, com Arnold Schwarzenegger. Depois disso, viu o filme mais três ou quatro vezes, e sempre se impressionou. "Não era fã incondicional dele. Tem filmes muito ruins (e fez cara de pouco caso) como Comando para Matar. Mas O Vingador é muito bom. Vi o filme como garoto e li o roteiro como adulto. Gostei mais ainda." A frase foi do ator na coletiva realizada ontem no Rio, num hotel da orla, em Copacabana. Farrell veio ao Brasil para divulgar a produção que estreia em 17 de agosto.

Ele admitiu que não é nenhum especialista em Brasil nem em cultura brasileira, mas elogiou a cidade e sua beleza. Na véspera, deu uma canseira em seu segurança. Na descida do Corcovado, ele resolveu fazer o trajeto a pé. Famoso como mulherengo, Farrell teve seu momento mais divertido na coletiva quando lhe perguntaram o que achava do biquíni. Ele fez caras e bocas procurando palavras. Esboçou um gesto, talvez acariciando um bumbum imaginário. "Vocês entendem o que eu quero dizer (mas não disse)." Todo mundo entendeu, sim, e ele acrescentou que, se tivesse uma namorada brasileira, gostaria que ela usasse biquíni (no contexto da praia).

As mulheres são um enigma que o fascina. É louco por elas, mas achou esquisito fazer a cena de beijo (uma só) com a atriz Kate Beckinsale, mulher do diretor do novo Vingador do Futuro, Len Wiseman. "Ele é muito meticuloso, mas na cena de beijo e agarração passou rapidamente sobre as instruções e quis acabar logo", riu. Farrell já trabalhou com diretores como Woody Allen, Steven Spielberg e Terrence Malick, em filmes como O Sonho de Cassandra, Minority Report - A Nova Lei e O Novo Mundo. Embora escolha os projetos pelas histórias que gostaria de ajudar a contar, o diretor é sempre importante. De todos, ele gostaria de trabalhar de novo com 'Terry' (Malick). Por quê? "É um grande artista, sabe criar uma ambiência e motivar o ator."

Já que O Vingador do Futuro, adaptado da história de Philip K. Dick, trata do implante de memória, era mais ou menos inevitável que se perguntasse a Farrell que desejo ele gostaria de tornar real. Talvez por estar no país do futebol, ele disse que era ser jogador. "Sempre quis representar meu país jogando futebol. Era o que eu pensava que queria quando tinha 18 anos", afirma hoje, aos 36 anos.

E hoje, qual seria seu sonho? "Gostaria de dirigir. Gosto muito de trabalhar com os atores, meus colegas. Acho que daria um bom diretor." Embora não se refira a ele como modelo, não poupou elogios a Ben Affleck. "Ben é muito esperto, muito criativo. É um dos grandes diretores americanos. Não fiquei surpreso ao vê-lo tão jovem fazendo bons filmes. É uma coisa que faz sentido para mim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.