Colégio veta Harry Potter por "promover bruxaria"

Um colégio australiano decidiu proibir a leitura das aventuras de Harry Potter. De acordo com a direção do Maranatha Christian College, a obra de J.K. Rowling promove a bruxaria. "Para cristãos, feitiçaria e ocultismo são do mal", disse o diretor Bert Langerak, segundo a BBC. "É amplamente sabido que muito crianças têm tentado lançar feitiços como resultado desta leitura, e este não é o quadro que queremos."A escola diz que a decisão é interna, e não resultado de alguma campanha por conta dos pais. "Como um leitor adulto, posso perceber a diferença entre fantasia e realidade, mas algumas crianças não", acredita Langerak. "Vamos continuar lidando com, digamos, Macbeth e Hamlet, porque neles o mal é tratado como mal."Desde o sucesso do primeiro livro, Harry Potter tem sido alvo constante de grupos religiosos. Em 2001, 60 escolas adventistas da Austrália o baniram de suas bibliotecas. Também tentaram censurá-lo na Rússia e em 13 Estados americanos. No Novo México, a obra foi acusada de "demoníaca" e pilhas de livros de Harry Potter foram queimadas em dezembro de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.