Colecionador diz ter encontrado obra perdida de mestre do realismo

O que seria o rosto de uma figura erótica pintada por Gustave Courbet no século 19 foi adquirido por US$1.900 e poderia valer US$ 54 milhões.

BBC Brasil, BBC

08 Fevereiro 2013 | 15h54

Um colecionador de arte francês diz ter encontrado o que seria uma obra perdida do mestre do realismo francês Gustave Courbet.

A pintura seria o torso de uma mulher cujas pernas e a genitália são representadas na famosa pintura erótica "A Origem do Mundo", de 1886, que causou escândalo no século 19.

Ela foi adquirida em 2010 de um antiquário por US$ 1.900 (R$ 3.738), mas, se for confirmada sua origem, pode valer até US$ 54 milhões (R$ 106 milhões), segundo algumas estimativas.

A história foi revelada pela revista francesa Paris Match, e o colecionador se manteve anônimo.

A revista, que expôs a nova pintura em sua capa, diz que especialistas teriam feito uma série de análises por dois anos até concluir que ela seria realmente o complemento de "A Origem do Mundo".

Polêmica

Estudioso da obra de Courbet, o perito Jean-Jacques Fernier confirmou à agência de notícias Reuters acreditar que a pintura se trata realmente de um pedaço do famoso quadro.

Segundo Fernier, Courbet pode ter cortado o torso da modelo para proteger sua identidade, antevendo que a pintura causaria escândalo.

Há porém, quem duvide dessa versão.

O jornal francês Le Figaro, por exemplo, coloca em dúvida até a possibilidade de "A Origem do Mundo" ser apenas parte de um quadro maior, que teria sido cortado pelo artista.

Acredita-se que a mulher retratada no quadro de Courbet seja a irlandesa Joanna Hiffernan, amante do pintor James Whistler.

A obra teria sido encomendada pelo diplomata turco-egípcio Khalil-Bey.

Atualmente, ela está exposta no Museu d'Orsay, em Paris. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
also gustave courbet realista

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.