Coleção Pirelli-Masp vai a Roma

Uma amostra do que há de melhor na fotografia brasileira contemporânea ganha, nesta quarta-feira uma exposição itinerante para comemorar dez anos. A coleção não poderia ser outra: Pirelli-Masp que, com acervo de 600 imagens de 165 profissionais, já é referência da atual produção nacional. O local, o mais contrastante: o Palazzo Dora Pamphili, sede da embaixada brasileira em Roma."Por ser uma cidade antiqüíssima, que abriga tanta história em cada uma de suas esquinas, esse contraste entre o novo e o antigo é muito interessante", comenta Mario Cohen, integrante do conselho da coleção e responsável, com André Vainer, pela concepção e criação da exposição.A comemoração começou no Masp em janeiro, onde a Coleção Pirelli/Masp de Fotografias esteve em cartaz até março. Esta nova mostra, que revisita a história da coleção, será aberta amanhã para convidados com a presença dos embaixadores Lucia e Paulo Tarso Flecha de Lima, Julio Neves, presidente do Masp, e de Giorgio della Seta, presidente da Pirelli no Brasil. Ganha destaque a montagem itinerante desta nova exposição, assinada pelos arquitetos André Vainer e Guilherme Paoliello."A mostra ocupará a sala Palestrina do Palazzo, na ala residencial da embaixada, em um palácio do século 17. Não foi fácil, porque tentamos não interferir na atmosfera barroca da sala, criando um painel metálico leve e revestido com tecido quase transparente, onde as fotos foram afixadas", explica Vainer. "Em vez de atrapalhar, as fotografias interagem com os bustos dos imperadores romanos, de 1,80 m de altura, que compõem a decoração da sala, dando um resultado inusitado", comenta Cohen.Para representar a fotografia brasileira, foram selecionadas 62 obras de 24 fotógrafos: Arthur Omar, Benedito Junqueira Duarte, Bina Fonyat, Carlos Antonio Moreira, Cássio Vasconcellos, Claudia Andujar, Domício Pinheiro, David Zingg, Eustáquio Neves, George Leary Love, Geraldo de Barros, Hidelgard Rosenthal, Jean Manzon, José Medeiros, Luiz Braga, Marcel Gautherot, Mario Cravo Neto, Maureen Bisilliat, Miguel Rio Branco, Orlando Brito, Pierre Verger, Rosângela Rennó, Sebastião Salgado, Walter Firmo.Apesar de já ser exemplo para museus de outros países, esta é a primeira vez que a Coleção Pirelli/Masp ganha uma mostra tão abrangente no exterior. "Parte da coleção já foi exposta em vários países da América Latina e Europa, mas esta seleção tão ampla e detalhada é inédita", conta Cohen. Para fazer esse panorama tão completo, a seleção não pôde estar restrita a fotógrafos brasileiros. Para a coordenação da coleção mais importante que ser brasileiro é que o profissional tenha vivenciado em sua carreira a fotografia brasileira e olhado para o País sem fazer uso dos velhos clichês. "Mesmo por isso não há como excluir nomes como Verger, Jean Manzon, David Zingg", comenta Cohen.Criada em 1991 com o intuito de mapear, conservar e divulgar a produção fotográfica nacional, a coleção é vitoriosa. "Ela não só contempla definitivamente a fotografia como uma das expressões artísticas mais eloqüentes do século 20, como procura a cada edição trazer tanto a produção que foi inovadora em seu tempo, como as mais recentes experiências, principalmente dos fotógrafos mais jovens", afirma Rubens Fernandes Jr., conselheiro da coleção. Com este trabalho, a coleção prova que fotografia não é mero registro, mas que, por meio do olhar do fotógrafo, permite um entendimento melhor do mundo. No segundo semestre, a coleção será exposta no Rio e deve também viajar para outros países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.