Coleção de Loureiro mistura couro e tecidos leves

Os anos 20 são revisitados pelo estilista Renato Loureiro de forma moderna. Com trilha sonora de Super Tramp, Led Zeppellin e Elthon John, a coleção é um verdadeiro patchwork de tecidos com misturas em couro, rendas, cetins e bordados. Eles são trabalhados de diferentes maneiras como pinçados, plissados, drapeados e com pregas. Loureiro une em seus looks formas justas e amplas.As peças têm modelagem assimétrica, com pontas de diferentes comprimentos e alturas. Todas os modelos aparecem com cinturões que mais parecem faixas na altura do quadril. Eles vêm em couro e camurça, com grandes argolas laterais. As saias são curtas, muitas vezes plissadas e a peça de mais destaque são as túnicas e pantalonas. Nas partes de cima o estilista trabalha com o cobrir e descobrir dos ombros e braços: em uma mesma blusa, uma manga curta e outra comprida. As luvas são acessórios para diversos modelos; elas aparecem coloridas e são amarradas na altura do bíceps. Destaque também para as transparências e peças bordadas com canutilhos. As cores são vivas: amarelo, vermelho, roxo, azul, rosa e verde. Nos tecidos a coleção brinca com a leveza da musselina, do shantung e da seda com materias mais pesados como o couro. Ponto forte do trabalho de Loureiro são os tecidos que formam treliças de roupa, dando a impressão que vão desmanchar. Nas estampas quadriculados ou listrados multicolor.Na passarela também tem vez os homens, que vieram em ternos de couro, bermudas compridas, coletes ou moletons com detalhes em cetim. Nos pés, sapatos vazados ou de amarrar com solado de borracha colorida. Um verão contemporâneo que resgata ares passados de uma forma sofisticada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.