Coleção de arte de Roberto Marinho é exibida no Rio

Durante quase seis décadas, o empresário Roberto Marinho adquiriu obras de arte que se tornaram um acervo importante da arte moderna brasileira e estrangeira. Parte dessas obras está na exposição O Século de Um Brasileiro: Coleção Roberto Marinho, a ser aberta hoje para comemorar seu centenário de nascimento, que se completa amanhã, no Paço Imperial. "Ele ainda não era o grande empresário que veio a ser, mas já tinha visão de futuro, investiu nos modernistas de sua geração", conta o curador e diretor do Paço, Lauro Cavalcanti. "Era um colecionador apaixonado e ousado. Comprava o que gostava e não para investir, mas adquiriu o melhor dos modernistas brasileiros." As obras foram reunidas por artistas em pequenas individuais. Há marinhas de José Pancetti (amigo pessoal de Marinho), retratos e paisagens de Portinari, Di Cavalcanti, Guignard, Roberto Rodrigues (irmão de Nelson, morto ainda jovem), Ismael Nery e artistas estrangeiros. "Como colecionador apaixonado, ele comprou obras de sua geração", conta o coordenador do acervo, Joel Coelho. "Seus filhos herdaram esse gosto, mas preferem os artistas contemporâneos." A exposição informa ainda sobre a personalidade de Roberto Marinho e sua história, em salas multimídias montadas por Marcelo Dantas, que reuniu um acervo de fotografias fornecido pela família. "Mais que o resumo de uma coleção, esta mostra resume uma vida, que influiu no século 20 e até hoje", observa Dantas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.