Coleção de André Breton rende US$ 50 milhões

O polêmico leilão de pinturas e objetos colecionados durante toda a vida pelo fundador do Surrealismo André Breton (1896-1966), que começou no dia 1.º e terminou ontem, superou todas as expectativas, ao render um total de US$ 50 milhões.O valor total da coleção leiloada no hotel Drouot havia sido calculado em US$ 32,6 milhões. Um tecido pintado por Joan Miró chamado Le Piège e um relevo em madeira de Jean Arp denominado Mulher foram vendidos por US$ 3 milhões.O leilão, com 5.300 lotes de livros, manuscritos, arte pré-colombiana e oceânica, desenho, pintura, escultura e fotografias e numerosos objetos ficavam no pequeno apartamento do poeta em Paris, mantido intacto pela viúva de Breton depois de sua morte em 1966. Com a morte da viúva, a filha do fundador do surrealismo Aube Elléouët, após tentativas inúteis de vender a coleção para um museu decidiu-se pelo leilão, gerando inúmeros protestos de nomes importantes da comunidade intelectual francesa, como o do filósofo Jacques Derrida. Clique aqui para conhecer as peças

Agencia Estado,

19 de abril de 2003 | 11h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.