Código de conduta da mulher de jogador

Legalize ABL

TUTTY , HUMOR, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2013 | 02h23

Corre no meio literário -

ô, raça! - o boato de que foi

promessa de campanha de

FHC na disputa pela cadeira

36 da Academia Brasileira de

Letras a liberação da maconha

ao menos no chá dos imortais.

Daí, sugerem as más línguas,

a vitória retumbante

do ex-presidente nas urnas!

Mandou bem

De Joel Santana, em entrevista

a uma rádio da África do Sul

sobre as chances do Brasil na

final da Copa das Confederações: "Yes, we can!"

A quem interessa?

Fabricantes de bombas

de gás lacrimogêneo e de

efeito moral podem estar

financiando a chamada

"minoria de baderneiros".

O setor está faturando alto

com as encomendas

emergenciais da PM.

Defeito de fábrica

Será que o tal 'recall' de políticos proposto pelo ministro Joaquim Barbosa prevê, em casos que não configurem perda total, a troca de itens acessórios, tipo a tintura de cabelo ou o paletó jaquetão?

Tanto faz

De um manifestante em Brasília, perguntado sobre sua preferência entre o plebiscito e o referendo: "Qualquer maneira de amor

vale a pena!"

Baderna na cama

Alexandre Frota tenta adiantar o lançamento de sua biografia para se distinguir da "minoria de

baderneiros" como uma espécie

de "vândalo sexual".

Se por acaso cruzar com Shakira amanhã no Maracanã, a experiente Susana Werner, mulher do goleiro brasileiro Júlio César, poderá ter a fineza de alertar a patroa do zagueiro espanhol Piqué: pega mal no Brasil ficar dando mole na torcida pelo marido fora das quatro linhas.

Reconhecida anteontem no telão da arena Castelão, a cantora colombiana acenou, mandou beijo e recebeu da galera cearense tratamento só dispensado a mulher de jogador bem-vista pelo torcedor brasileiro: "Gostosa, gostosa, gostosa..."

Veterana da Copa de 1998, quando ainda era namorada do Fenômeno Ronaldo, Suzana Werner sabe que, depois do namoro inicial com as arquibancadas, o estigma de 'Maria Chuteira' fala mais alto. Não à toa, a mulher do goleiro da seleção não apareceu em telão de estádio nesta Copa das Confederações nem quando o marido pegou aquele pênalti no Mineirão. Não fosse o assalto que sofreu em Fortaleza, nem saberíamos de sua presença no País. Não custa nada dar umas dicas pra Shakira, né?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.