Coco & Igor, ordem no caos

Longa de Jan Kounen, sobre a ligação da estilista com o compositor, tem um começo de gênio

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2010 | 00h00

Mads Mikkelsen e Anna Mouglalis. Igor e Coco: duas personalidades fortes em romance que será tudo, menos pacífico                      

 

 

 

 

Já houve a Coco Chanel de Audrey Tautou, no filme de Anne Fontaine que ficou semanas em cartaz na Reserva Cultural. Outra Mademoiselle Chanel desembarca hoje na cidade, interpretada por Anna Mouglalis. Embaixatriz da Maison Chanel, Anna faz uma estreia retumbante - digna de estrela - no longa de Jan Kounen que retraça a ligação da estilista com o compositor Igor Stravinsky. Você poderá até não gostar do filme, mas não será por falta de qualidades. Kounen capricha no visual e Anna é deslumbrante vestindo os numerosos tailleurs inspirados no estilo inconfundível de Coco - além de mais dois ou três modelos que Karl Langerfeld criou especialmente para ela. Mas não é só o visual de Coco & Igor que poderá apanhar o espectador.

O áudio, também. Anna fala e sua voz rouca, sensual faz parte dos mistérios do filme e da personagem lendária que encarna. E, acima de qualquer preferência, a cena de abertura não é menos do que brilhante. Jan Kounen escolheu abrir Coco & Igor justamente com a recriação da célebre noite em que Stravinsky fez a primeira apresentação de A Sagração da Primavera, em Paris. A conservadora plateia da época achou excessivas as provocações, não apenas do compositor, mas também as de Nijinsky, que assinava a coreografia. Instalou-se o tumulto no teatro. A Sagração da Primavera foi recebido debaixo de vaias.

Na ficção dramática de Coco & Igor, a estilista, já consagrada, fica tão atraída pelo compositor - e sua criação - que o hospeda com a família, mulher e filhos, numa mansão de sua propriedade. Ficam amantes - e, tanto quanto a cena do teatro é esplendorosa, as de sexo são intensas, marcadas pelo contorcionismo dos protagonistas, Anna e Mads Mikkelsen. Só que a ligação entre duas personalidades tão fortes quanto Mademoiselle e Stravinsky será tudo, menos pacífica. A tese de Jan Kounen é que o período em que Igor foi hóspede de Coco foi decisivo para ele. Apesar das disputas, ele encontrou "chez elle" o porto seguro para retrabalhar A Sagração da Primavera, que, quando é apresentada de novo, no desfecho, vira um triunfo colossal e o resto é história.

Será curioso comparar a abertura de Coco & Igor com dois clássicos dos anos 1960 - Terra em Transe, de Glauber Rocha, de 1967, e outro filme um pouco anterior, um épico de Hollywood, A Queda do Império Romano, de Anthony Mann, de 1964. Glauber pode até não ter visto o filme de Mann, mas as imagens de Sophia Loren, enlouquecida nas ruas de Roma, enquanto o império está sendo leiloado, antecipam a descontinuidade do transe glauberiano. O desafio de Kounen, na abertura de Coco & Igor, era parecido. Como mostrar o nervosismo do público e dos artistas enquanto prossegue uma encenação que, obviamente, não está sendo bem recebida - seja entendida, ou aceita. Como dar ordem ao caos? Os 10 ou 15 minutos iniciais de Coco & Igor são antológicos.

 

 

 

 

 

 

 

QUEM FORAM?

COCO CHANEL

ESTILISTA FRANCESA

Criadora de um estilo que até hoje influencia a moda mundial, Gabrielle Bonheur Chanel (1883-1971) teve infância pobre e conturbada. Por volta dos 20 anos, ganha o apelido Coco e conhece seu grande amor, o milionário Arthur Boyle, que a ajudou a abrir a sua primeira loja. Ele também lhe apresentou o mundo sofisticado de Paris do qual ela nunca mais se separou, conhecendo os grandes nomes da arte e vestindo mitos, como Jackie Kennedy.

IGOR STRAVINSKY

COMPOSITOR RUSSO

Igor Fiodorvitch Stravinsky (1882-1971), filho de conhecido cantor de ópera e criado no meio musical, foi, porém, encaminhado para o curso de Direito, do qual logo se afastou para estudar com Rimski-Korsakov. Convidado por Diaghliev, passa a compor para os balés russos e cria sucessos como O Pássaro de Fogo e Petrouchka. Em 1913, apresenta sua obra mais famosa, A Sagração da Primavera, que causou enorme escândalo com sua modernidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.