´Cócegas´ volta para última temporada em São Paulo

Comédia de Ingrid Guimarães e Heloísa Perissé já soma 1 milhão de espectadores

Agencia Estado

06 de julho de 2007 | 16h17

Lá se vão seis anos desde que essas duas comediantes começaram despretensiosamente um espetáculo de humor, em que duas mulheres narram suas crises profissionais, ou a ausência de emprego. De lá para cá, a peça, que recebeu o nome de Cócegas, estrelada por Ingrid Guimarães e Heloísa Perissé, já foi vista por mais de 1 milhão de pessoas. Do mesmo espetáculo surgiu a versão infantil Cosquinha, também com boa recepção. Neste final de semana, elas voltam com o espetáculo "adulto" para a capital paulista, em curta temporada de duas semanas, no Citibank Hall. E anunciam que esta é a última temporada em São Paulo. Tamanho sucesso, raro no cenário teatral, é atribuído pela atriz Ingrid Guimarães ao fator atemporal de suas personagens. "O Cócegas tem um humor diversificado, a cada dia fica mais atual. É um panorama do mundo contemporâneo. A personagem da modelo anoréxica, por exemplo, nunca foi tão atual, a da pastora está toda hora nos jornais e por aí vai. São tipos reais de fácil identificação", conta ela, frisando também a sintonia entre ela e sua parceira Heloísa. "Depois de tanto tempo a peça virou uma sinfonia. É gargalhada do início ao fim", acrescenta.Se pegando a personagens aparentemente clichês, de fato a sincronia entre as duas atrizes é evidente e impulsiona o riso durante quase todo o espetáculo. Em Cócegas, está a mulher que depende do marido, a modelo de passarela, evangélicas, prostitutas e atriz figurante de programa infantil. Há também a adolescente Tati, interpretada por Heloísa, que, com esta personagem, chegou a ganhar quadro especial no "Fantástico" e se tornou febre com suas gírias juvenis. Clichê ou não, o fato é que Cócegas ainda não encerrou sua vida útil. Pelo contrário: ainda há mais projetos ambiciosos pela frente, como revela Ingrid. "Vamos escrever um livro infantil baseado na peça Cosquinha e talvez tocar um novo projeto pra TV. Vamos pra Portugal e viajar o resto do País que não deu pra ir por causa das gravações (do Sob Nova Direção, aos domingos na Globo). Também iremos começar a trabalhar no roteiro do Cócegas pro cinema". Ao avaliar as projeções, Ingrid não deixa de lembrar do início da trajetória do espetáculo, no Rio de Janeiro, há seis anos, quando estimavam ficar, no máximo, três meses em cartaz. "Na primeira semana não tínhamos divulgação nenhuma e chamamos um monte de amigos pra encher a platéia, porque fazer comédia pra poucos é triste. Chegando lá a fila virava a esquina. Foi um choque", afirma. Como se sabe, os pais desejam o melhor para seus filhos, mas neste caso a premonição foi acertada, como recorda a atriz. "Os nossos pais foram ver e disseram: ‘Se preparem pra um sucesso’". A todo vapor com projetos individuais, em programa piloto para TV a cabo e um roteiro pro cinema, Ingrid aposta na continuidade de trabalhos em conjunto com Heloísa Perissé. "A nossa parceria vai existir sempre que a gente quiser e que surgir uma boa idéia". O público já deu respaldo, Ingrid. Cócegas. Citibank Hall. Av. Jamaris, 213. Dias 7 e 8 e 14 e 15/07. Sábado, às 22h, e domingo, às 20h. Ingressos: de R$ 40 a R$ 70. Informações: (11) 6846-6040.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.