CNBB critica programação das tevês

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil(CNBB) afimou que a televisão está patrocinando a degradação moral da famíliabrasileira com sua programação. Em nota oficial, a CNBB diz que as emissoras de televisãoestão levando aos lares brasileiros ?o sexo explícito, o linguajar abusivo, a degradaçãode convivência familiar e social, a violência e o preconceito?.Ao referir-se ao encontro da última quinta-feira do presidente Fernando Henrique Cardosocom atores da novela Laços de Família, da Globo, que foi proibida pela Vara da Infância eda Adolescência do Rio de exibir imagens de crianças, o presidente da CNBB, d. JaymeChemello, valeu-se de uma citação bíblica para criticá-lo. ?Só espero que o presidentenão se deixe vender por um prato de comida?, disse o bispo, ao demonstrar desaprovaçãopelo encontro.Chemello afirmou que as imagens e temas exibidos ultimamente pelos programas televisivossão um incentivo à violência, à erotização da infância e à discriminação de culturas,como a indígena, numa referência indireta à novela Uga Uga. O enredo da trama aborda oscostumes e tradições indígenas. ?Explorar tais imagens e conteúdos não é exercício da liberdade democrática, mas amanifestação do autoritarismo dos meios de comunicação?, disse Chemelho, ao defender aimediata mudança de abordagem dos programas televisivos. Para o bispo, a sociedade exigeprogramas ?sadios e de conteúedo mais éticos?.Esta semana, bispos de todo o País reunidos em Brasília durante o Conselho Permanente daCNBB defenderam a imediata regulamentação e instalação do Conselho Nacional deComunicação Social, previsto no artigo 224 da Constituição. A Igreja quer, inclusive,fazer parte do conselho. A CNBB entende que o conselho ?é uma passo para se avançar noprocesso de democratização dos meios de comunicação e torná-lo cada vez mais servidoresdo bem comum?.Mesmo defendendo mudanças de conteúdo na programação das emissoras de TV, d. JaymeChemello condenou qualquer tipo de censura prévia aos meios de comunicação. Ele lembrou,entretanto, que ?a liberdade na comunicação social pressupõe respeito aos padrões evalores éticos que regulam as relações sociais?. Ainda, segundo o bispo, os pais têm hojegrande dificuldade na orientação de seus filhos por causa das ?constantes deformaçõesveiculadas nos programas televisivos?.Segundo a CNNB, a população brasileira está ávida por programas de melhor nível artísticoe cultural. Chemello afimou que, em vez de programas de apelo erótico e preconceituosos,as emissoras de televisão deveriam se preocupar mais com a veiculação de conteúdoseducativos e culturais. ?Dizer que o povo não aceita e não gosta de programas de melhornível, é uma mentira?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.