Clima boêmio no desfile da Alphorria

A cada desfile, a reafirmação das cores (em especial o azul, o verde e o rosa), dos tipos de tecido (finos, fluidos, tricolines, etc.) e ainda essa essência de perfume noturno que ronda as coleções de verão. Ana Beatriz Barros, a modelo de muitos desfiles da SPFW, também se afirma, a todo momento que se exibe, sempre linda. Cenário na medida, entre o teatral e o fashion, com um caleidoscópio ao fundo girando e dando o tom do clima boêmio, colorido e iluminado da estação. A música idem, também correta, mixada pelo DJ Felipe Venâncio. Dessa forma, a Alphorria disse a que veio logo com seus primeiros acetinados (de seda e devorê), seus vestidos. Uma coleção feminina que trabalha, especialmente, variações de cortes, comprimentos. O cetim de diferentes tons de azul (principalmente) verde e cinza moldam o corpo feminino, privilegiando seu desenho, seus contornos. Ou seja: há tanto uma elaboração de cortes frontais, emoldurando seios, pondo-os em evidência, e uma valorização do desnudamento das costas. Esse leve cetim repete-se em combinações distintas de modelos, algo que parece ser monótono, mas não exatamente. Passa-se a idéia de um jogo de possibilidades. O geométrico de algumas estampas, em tons claros, e de alguns recortes, embora minoritários, se sobressaíram em um verão cheio de estampas vigorosas e da combinação clássica do preto e do branco.Veja Galeria de Fotos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.