'Cleópatra' vence Festival de Brasília, com vaias

Não adiantou a crítica tentar contrapor o descontentamento do público durante a exibição do longa "Cleópatra", de Julio Bressane, no Festival de Brasília. Enquanto jornalistas elogiaram o filme, grande parte da platéia nem terminou de assistir. O público se empolgou mesmo foi com "Chega de Saudade", da diretora Laís Bodanski. Pois bem, ontem foi o dia da premiação e Bressane levou não só o Candango de melhor filme como ainda o de melhor atriz, para Alessandra Negrini, e outras quatro categorias."Cleópatra" começou a ser vaiado quando recebia o terceiro prêmio da noite, para direção de arte (Moa Batson). As vaias cresceram no anúncio de melhor filme e, mais ainda, para o de melhor atriz, concedido à Alessandra Negrini. O público queria que o prêmio fosse dado à Rosane Mulholland, que atuou em dois filmes presentes na competição: "Falsa Loura" e "Meu Mundo em Perigo".O grande preferido da noite, "Chega de Saudade", não saiu de Brasília de mãos abanando. Laís Bodanski levou para casa o Candango de melhor direção. O longa recebeu ainda outros dois prêmios: roteiro, para Luís Bolognesi, e o de melhor filme eleito pelo Júri Popular. Já "Meu Mundo em Perigo" saiu do festival com dois Candangos: melhor ator, para Eucir de Souza, e ator coadjuvante (Milhem Cortaz). O prêmio especial do júri foi para o documentário "Anabazys", de Paloma Rocha e Joel Pizzini, que levou ainda o de melhor montagem (Ricardo Miranda).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.