GABRIELA BILO|ESTADÃO
GABRIELA BILO|ESTADÃO

Classe artística protesta no Teatro Oficina contra o fim do Ministério da Cultura

Sedes da Funarte em SP e Belo Horizonte foram ocupadas; artistas realizam atos em Curitiba, Ceará, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e outros locais

Leandro Nunes, O Estado de S. Paulo

17 de maio de 2016 | 20h52

Após a extinção do Ministério da Cultura, membros da classe artística e cultural se reuniram na noite de terça-feira, 17, no Teatro Oficina, para uma mobilização contra o fim do MinC. Mais cedo, diversos artistas ocuparam a sede da Funarte – Fundação Nacional das Artes, em São Paulo. O encontro no Oficina contou a presença do diretor do espaço, José Celso Martinez Corrêa, além do ator Pascoal da Conceição, a professora e filosofa Marilena Chauí, o cantor Edgar Scandurra (da banda Ira!), e Fernando Anitelli, do grupo musical O Teatro Mágico. 

Sob os gritos de “Fora, Temer” e “Cultura no poder”, artistas defenderam o restabelecimento da pasta, agora fundida ao Ministério da Educação. Após as primeiras manifestações, o governo interino de Michel Temer criou uma secretaria nacional de cultura, medida insuficiente, segundo os artistas. “A cultura é a infraestrutura da vida, inspirou os direitos humanos, a luta pela igualdade da mulher e das etnias”, disse Zé Celso. “Ela tem sido muito massacrada pela economia e temos que levar a sério porque isso também ameaça tantos outros ministérios. Diante de um governo ilegítimo, só poderemos legitimá-lo com eleições diretas”, defendeu. 

Scandurra criticou um recente vídeo em que o deputado Marco Feliciano pedia aos artistas que deixassem de procurar o MinC e passassem ao Ministério do Trabalho. “Esse cara não merece nosso respeito. Estou à disposição, ofereço minhas mãos e forças para essa nossa luta.” 

Anitelli disse que o fim do MinC se deu pelo histórico de alianças equivocadas entre certa parcela da esquerda. “A conta chegou! Agora precisamos olhar para o que é comum entre nós. Essa luta tem que ser pedagógica, lado a lado para reconstruirmos esse novo caminho. Seja no teatro, na música ou em qualquer arte, precisamos colocar a nossa indignação. Onde sobra intolerância, falta inteligência”, comentou.

Para Marilena Chauí, a perda da pasta atinge a essência da criação artística. “A cultura é a capacidade de criação simbólica e de relação com o ausente. É por meio da memória que resgata o passado, é por meio da esperança que vislumbramos o futuro de um país. Esse governo não pode suprimir a cultura, que é a essência de todos nós. Isso se refere a toda a sociedade brasileira”, afirmou.

Ex-secretário municipal da Cultura de São Paulo, o vereador Nabil Bonduki disse que a intenção de reduzir a pasta atinge a capacidade de reação da sociedade. “A cultura é articuladora da crítica e tudo que esse governo quer é extinguir”, disse. A cineasta Eliane Caffé atentou que é preciso colocar nomes nos atores do cenário político. “É um golpe e só quando nomeamos é que a história vai caminhar.”

Belo Horizonte. Artistas e integrantes de movimentos sociais entram nesta quarta-feira, 18, no terceiro dia de ocupação da Fundação Nacional de Artes (Funarte) em Belo Horizonte. O protesto é contra o fechamento do Ministério da Cultura pelo presidente em exercício Michel Temer (PMDB). Antes do início da ocupação, na noite de domingo, 15, uma assembleia foi realizada próximo ao prédio da Funarte, no bairro Floresta, Região Leste da capital, que contou com a participação de aproximadamente 400 pessoas.

Durante a manifestação são realizadas apresentações culturais e manifestos. Na assembleia de domingo ficou acertado que aproximadamente 20 pessoas ficariam permanentemente no prédio. Na quinta-feira, 19, dentro dos protestos contra o governo federal na cidade, a Frente Brasil Popular em Minas Gerais realiza ato Fora Temer a partir das 17h. A entidade reúne centrais sindicais, representações estudantis e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

Ao longo da última semana, artistas realizaram atos na sedes do MinC em Belo Horizonte, nos prédios do Iphan em Curitiba, Ceará, Rio Grande do Norte e, no Rio de Janeiro. Ainda estão previstas manifestações em Salvador. Em São Paulo, os manifestantes seguiram para a sede da Funarte, que segue ocupada com debates e encontros programados para o longo da semana. (Colaborou Leonardo Augusto, de Belo Horizonte)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.