Cisne Negro estréia coreografia em SP

O Cisne Negro Companhia de Dança nasceu em 1977 sob a direção de Hulda Bittencourt e desde o nascimento tem como característica não ter coreógrafos residentes, o que garante espaço para jovens talentos, como Dany Bittencourt que faz sua estréia com Em Caso de..., que estréia amanhã no Teatro Municipal, numa temporada curta e com preços populares. O público também poderá conferir trabalhos conhecidos como Fruto da Terra e Trama."Em Caso de... surgiu nos ensaios. Sugeri algumas situações para os bailarinos, eles desenvolveram, nos empolgamos e em três meses montamos a coreografia", conta Dany. A peça possui um tema abstrato, difícil de coreografar sem cair em clichês: as emoções. "Lido com os diferentes estados de espírito, abordo a alegria, ansiedade... Temas complicados para aplicar no corpo; dependi, então, do trabalho de cada bailarino."Além do apoio do elenco, Dany contou com a orientação do diretor teatral Marco Antonio Pâmio. O diretor criou pontes cênica para ligar uma cena à outra. "Pâmio alinhavou cada quadro que representa os sentimentos. Em Caso de... faz uma junção de dança e teatro, sem, no entanto, utilizar a palavra, apenas gestos. Um outro fator que me auxiliou foi a trilha sonora com músicas de Tom Zé e Fábio Cardia, montada para o espetáculo", diz.Ocimar Versolato deu sua contribuição criando os figurinos. "Nós o convidamos para assistir aos ensaios, ele gostou e criou peças leves. Acho que está bem clean, como a coreografia," observa a coreógrafa. Outro nome de destaque na moda é Eduardo Ferreira, que assina o figurino de Trama. Rendas vindas do Nordeste, trilha sonora assinada por Lenine, Mestre Ambrósio e Marco Suzano, a coreografia resgata uma outra característica do Cisne Negro: a busca da brasilidade.Festas populares e folclóricas marcam a criação de Rui Moreira. Trama apresenta ao público uma série de influências que compõem a cultura brasileira. Como o próprio criador diz, é uma rede, uma miscelânea de ritmos, sons e movimentos que expressam as raízes do País. O cenário de Hilal Sami Hilal mostra esse emaranhado de tendências.Para encerrar a programação uma peça conhecida do público: Fruto da Terra. Composta em 1999 pelo israelense Itzik Galili, apresenta a harmonia da vida no campo. A música de Mercedes Sosa dá o clima que se completa com o cenário do artista plástico Ascon de Nijs.Cisne Negro. Direção de Hulda Bittencourt. Duração: 1h30. Amanhã e sábado, às 21 horas; domingo, às 11 horas. De R$ 2,00 a R$ 15,00. Os ingressos para o domingo devem ser trocados por 2 livros de literatura, de preferência. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, tel. 222-8698. Até domingo. Patrocínio: Petrobras, Governo Federal.

Agencia Estado,

30 de agosto de 2001 | 19h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.