Circo Nacional da China volta ao País com Millenium

"Não somos um circo. Um circo temanimais e nós não temos." Esse foi o primeiro esclarecimento quedeu Tie Shi, o treinador de movimentos acrobáticos do CircoNacional da China, erroneamente traduzido desta forma para oportuguês. O nome real do grupo, que já passou por Brasília eestréia amanhã novo espetáculo em São Paulo, é Trupe Acrobáticade Shenyang (cidade onde a companhia foi formada há 55 anos), naChina. Antes também já foi chamado aqui no Brasil de CircoImperial da China. A trupe volta ao Brasil após dois anos para apresentar oespetáculo Millenium, que alia técnicas tradicionais circenses,como o trapézio e o contorcionismo, a uma inspiração futurista.O elenco é composto por 65 integrantes, sendo todos muito jovens com idade entre 12 e 30 anos. "Mantemos uma escola dentro daTrupe Acrobática de Shenyang, onde os chineses começam a treinarbem jovens", conta Tie. Convidados especiais de Moscou e SãoPetersburgo, na Rússia, e Paris, França, também integram uma dascompanhias circenses mais celebradas do mundo. Mais de 12toneladas de equipamentos foram trazidos da China para compor ocenário da maior montagem da companhia.Só agora, após 55 anos de existência, é que os chineses estãoplanejando lançar produtos comerciais associados ao nome datrupe. Bem diferente da estratégia de mercado do canadenseCirque du Soleil, que chega a São Paulo no próximo dia 3. A companhia chinesa possui apenas dois especiaisproduzidos especialmente para a televisão. Em relação aos seus"coleguinhas" de Montreal, Tie opina: "Nós já vimos algunsespetáculos do Soleil. Eles também são muito bons. Mas eles têmcaracterísticas e princípios bem diferentes dos nossos, querealizamos um trabalho fortemente calcado em acrobacias." A turnê de 2006 pela América do Sul tem início aqui noBrasil e depois seguirá para Argentina, Uruguai, Chile, Peru,Venezuela, Equador, Colômbia, Costa Rica, Salvador, Panamá eMéxico. Circo Nacional da China. Via Funchal. Rua Funchal, 65, 3089-6999. 3.ª a 6.ª, 21h30; sáb. e dom. 15h e 21h30. R$ 30 a R$ 150. Até 23/7N

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.