Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Circo da moda começa a pegar fogo

Apesar de ter começado oficialmente há duas semanas, é hoje que o circo da moda realmente pega fogo. Com o desfile de Ricardo Almeida (trazendo o bonitón Rodrigo Santoro a bordo) tem início a maratona da São Paulo Fashion Week no Prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera. Nós fashionistas (os que vivem da moda, mais ocasionais pára-quedistas e deslumbrados) já pudemos conferir as coleções do Amni Hot Spot (tubo de ensaio dos novos estilistas, realizado pela organização da SPFW) e da Casa de Criadores (prima alternativa da temporada oficial, sempre com espírito comportamental e clubber). Semana passada rolou o Fashion Rio, no MAM carioca. Com uma indisfarçável rivalidade com a semana de São Paulo ? a SPFW exigiu exclusividade de algumas top models ? a temporada carioca teve seu ponto alto com a etiqueta mineira Coven. Um desfile com personalidade, excelente styling (assinado por Daniel Ueda), conceito e produto (malharia trabalhada com criatividade e profissionalismo). Pudemos também conferir o hype da jovem estilista Isabela Capeto (hippie chic festejado pelos descolados de plantão) e da paulistana caixa alta Raia de Goye (o PIB da cidade compunha a maior parte da platéia e, como era de se esperar, aplaudiu de pé). Gratas surpresas entre os novos criadores, como Studio e Zigfreda. Muito barulho por nada com a presença da millionete americana Paris Hilton (sim, ela mesma, a tal do video pornô espalhado no mundo via internet) no desfile bonitinho da Colcci. E a mão sempre firme do mineiro Ronaldo Fraga assinando a direção artística da Lei Básica. Ontem à noite, mais uma prévia: o desfile da etiqueta de moda praia Flor, de propriedade do empresário golden boy Marcos de Moraes (filho de Olacir de Moraes). Moda correta sim, looks bacanas sim, styling competente, mas nada que um bom desfile de show room ou apresentação pequena para clientes não resolvesse tudo. Em todo caso, o espaço escolhido, bem off Broadway, na Lapa, era ótimo e todas as tops do momento estavam na passarela. Liliane Ferrarezi, Michelle Alves, Leticia Birkeheuer, Ana Beatriz Barros, Ana Claudia Michels etc. e tal. Realmente a força da grana faz diferença.E agora, 41 desfiles atraem as atenções do mundo da moda (sim, São Paulo, já é parte do ?circuito Elizabeth Arden?) para o tal Brazilian style. Aproveitando o mote dos 450 anos de São Paulo (domingo teve desfile oficial com a efméride servindo de base e referência para o elenco de estilistas da SPFW), a Pinacoteca e a Sala São Paulo estão entre os locais de desfile (Lorenzo Merlino e Cori respectivamente). A Huis Clos, ausente do evento desde que ele se chamava Morumbi Fashion, volta à cena com desfile em seu magnífico show room da Barra Funda.No mais, o tititi fica por conta do elenco de tops. Além das já citadas no desfile da Flor, tem o furacão Gisele em mais de uma coleção (bem humorada e sem politicagens, esperamos), Naomi Campbell em sua encarnação fofura ?I love Brazil? (desfilou uma camiseta brasileira ufanista para a dupla Dolce & Gabbana, recentemente em Milão) e Elettra Rossellini. Quem??? Elettra vem a ser filha da icônica Isabella Rossellini que vem a ser filha da lenda Ingrid Bergman (mas essa, o mundinho fashion não tem mesmo idade nem repertório para conhecer). Por essas e outras, afivelem os cintos, coloquem os capacetes, confiram pára-quedas e dispositivos de segurança, afiem suas garras e se joguem. Até terça-feira que vem, a capital da moda é aqui. Haja fôlego, óculos escuros, sais aromáticos e pelo menos um litro de Chanel No. 5. Veja galeria do SPFW

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.