Cinzas

O doutor Alberico tinha pedido para ser cremado. Ainda no velório, a família discutiu o que fazer com as cinzas. A viúva sugeriu aos filhos que as espalhassem no sítio onde o Alberico gostava de passar os fins de semana, quando não estava viajando. Até se lembrava vagamente de tê-lo visto apontar para uma colina e dizer que queria que suas cinzas fossem lançadas ao vento dali, bem dali. A viúva não se lembrava qual era a colina, exatamente - o pedido do marido fora feito anos antes, quando ele ainda estava ativo, ainda viajava quase todas as semanas para Curitiba - mas o vento saberia para onde levar as cinzas do Alberico.

Luis Fernando Veríssimo, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2010 | 00h00

Todos concordavam? Todos concordaram. As cinzas seriam espalhadas ao vento de uma colina no sítio. A que Alberico dera o nome da sua mulher, Florinda. Campos da Florinda. Ali onde ele encontrava a paz longe da cidade e das viagens, suas cinzas também encontrariam a paz, para sempre.

***

Uma mulher aproximou-se da viúva, no velório. Florinda preparou-se para receber um abraço, mas a mulher não lhe deu um abraço. Era mais moça do que Florinda, mas não muito. Em vez de dizer "Meus pêsames", disse:

- Eu sou Curitiba.

- O quê?

- Quando o Alberico ia para Curitiba, era para se encontrar comigo.

- O QUÊ?!

- Não faça escândalo. Você desconfiava, não desconfiava?

- Eu sabia que ele aproveitava as viagens para se soltar. Para ter mulheres. Muitas mulheres. Mas não uma. Várias Curitibas, não uma Curitiba só.

- Eu era a única. Ele sempre foi fiel.

Quando o marido viajava, Florinda dizia, brincando: "Vê lá como você vai se comportar em Curitiba, hein?"

E ele: "Meu bem, Curitiba é a cidade mais bem-comportada do Brasil."

Também brincando.

***

- O que você quer?

- Cinzas.

- Como, cinzas?

- Tenho direito à metade das cinzas dele.

- Eu não acredito! Legalmente, você não tem direito algum.

- Legalmente, não. Moralmente, sim. Ele passava metade do tempo comigo.

- E o que você faria com as cinzas dele?.

- Ele pediu que as jogasse da janela do nosso apartamento em Curitiba, ao por do sol, ao som de um adágio de Albinoni.

- Albinoni?

- Ele dizia que o nosso apartamento era o único lugar em que ele encontrava a paz.

- ALBINONI?!

***

Concordaram em um terço das cinzas para Curitiba, dois terços para Florinda. Que durante toda a viagem de carro para o sítio, com a urna ao seu lado, foi pensando: "Albinoni, Albinoni... Como a gente não conhece as pessoas..." Só quando chegaram ao sítio ela se deu conta que deixara a urna com as cinzas do Alberico no banheiro da churrascaria em que tinham parado no caminho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.