Cinesesc exibe os melhores de 2012

Evento começa hoje, com a cerimônia de premiação dos vencedores, que foram eleitos por público e crítica

FLAVIA GUERRA, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2013 | 02h10

Pela 39.ª vez, o Festival Sesc Melhores Filmes traz de volta à tela do Cinesesc o que de melhor passou pelos cinemas paulistanos no ano anterior. O evento começa hoje, com a cerimônia de premiação dos vencedores, que foram eleitos por público e crítica. Para a festa, que entrega troféus nas categorias de melhor filme, documentário, ator, atriz, direção, roteiro e fotografia para as produções brasileiras e melhor filme, direção, ator e atriz para as estrangeiras. Estarão presentes ainda Irandhir Santos, João Miguel, Betty Faria, Djin Sganzerla e os diretores Cláudio Assis, Beto Brant, Edgard Navarro, Hilton Lacerda, Caetano Gotardo e Marcelo Machado, além do pianista Nelson Ayres e do diretor-geral do Sesc, Danilo Miranda.

Após a premiação, será exibido O Que se Move, primeiro longa do jovem diretor Caetano Gotardo. Com estreia prevista para 10 de maio, conta a história de três famílias que precisam lidar com mudanças bruscas.

Já na programação, que começa amanhã, às 14h30, com a exibição do iraniano A Separação, há 40 filmes. Destes, 23 são estrangeiros e 17 brasileiros. Entre os mais votados, há desde o brasileiro A Febre do Rato, de Cláudio Assis, até o controverso Holy Motors, com sessão na sexta, às 21h30, passando pelo pop 007 - Operação Skyfall, no sábado, às 14h30.

O ecletismo do festival se nota também nos eventos paralelos. Entre cursos livres, seminários e edições especiais do Cinema da Vela, de hoje até o dia 25, merece destaque o curso A Boca do Lixo e o Cinema de Carlos Reichenbach, que traça um panorama da produção do diretor Carlos Reichenbach, o Carlão, morto em maio de 2012. Parceiro de longa data, foi no Cinesesc que ele realizou (de 2004 a 2012), mensalmente, a Sessão do Comodoro, que se tornou ponto obrigatório para todos os que queriam assistir a filmes raros e originais, que eram escolhidos, apresentados e exibidos por Carlão. Para completar, o cineasta ganha homenagem com uma exposição. Fotos, documentos, trechos de filmes, pôsteres, entrevistas e vários objetos serão expostos no hall do Cinesesc. Para dar início às homenagens, hoje, durante a cerimônia de premiação, serão exibidos trechos de filmes e depoimentos de e sobre o diretor e um troféu será entregue para Lygia Reichenbach, viúva do diretor. "Esta celebração é uma das importantes conquistas deste ano. Além de genial, Carlão era um amigo querido", comenta Simone Yunes, programadora do Cinesesc.

Entre outras atrações, boa pedida para os cinéfilos são os seminários da crítica. Com entrada gratuita, os encontros discutirão temas atuais e terão mediação de Maria do Rosário Caetano. Amanhã, às 19h30, o tema é 'Cinemas de Rua x Grandes Complexos - Novas Tecnologias. Produção Nacional e o Cinema Autoral', com Inácio Araújo, Zuenir Ventura, Rubens Ewald Filho, o jornalista do Caderno 2 Ubiratan Brasil e José Geraldo Couto. Na sexta, às 19h30, é a vez de debater 'Blockbusters Brasileiros x Cinema Independente. Modelos de Financiamento. Cota de Tela. Novos Polos de Produção Fora do Eixo Rio-SP. A Chegada do DCP e o Pagamento do VPF', com Suyene Correia, Marcelo Miranda, Sergio Mota, o crítico do Caderno 2 Luiz Zanin e Daniel Schenker.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.