Cinemateca faz tributo a Mauro Alice

Mauro Alice nunca se esqueceu dos bolinhos de chuva feitos por sua mãe, quando ele ainda era criança e morava no Paraná. Até que ponto, décadas mais tarde, ele influenciou o diretor Walter Hugo Khouri? Um dos momentos mais belos de Noite Vazia, de 1964, é o flash-back em que a personagem de Norma Bengell recorda a própria infância e também se lembra dos bolinhos de chuva que sua mãe fazia. Mas havia uma conotação diferente. O que era encantamento para Mauro Alice, era o signo da prisão familiar de que Norma queria fugir.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2010 | 00h00

Ele foi um dos maiores montadores do cinema brasileiro. Morreu há pouco mais de uma semana, aos 85 anos. Ganha agora a homenagem da Sala Cinemateca, que de hoje a domingo exibe um punhado de filmes que ele montou. São obras que vão do cinema comercial ao autoral. De Candinho, de Abílio Pereira de Almeida, um dos primeiros filmes de Mazzaropi, de 1953, ao já citado de Khouri. A programação inclui outro Mazzaropi - O Puritano da Rua Augusta - e também os cults Floradas na Serra, de Luciano Salce, no auge da Vera Cruz, e O Beijo da Mulher Aranha, de Hector Babenco, de 1985.

Há cinco anos, homenageado pelo Prêmio ABC de Cinematografia, Mauro Alice comparou a cerimônia ao Oscar - a que comparecera com O Beijo. Ele montou vários, quase todos os filmes de Hector Babenco. Na pré-estreia de Carandiru, ao apresentar sua equipe, ao chegar a Mauro Alice, o diretor disse alto e bom som que era um profissional com o qual sempre se podia aprender.

O próprio Alice aprendeu com Oswald Hafenrichter e Rex Endsleigh, duas lendas da Vera Cruz. O primeiro era montador, o outro, técnico de som. Mauro Alice não foi apenas um grande montador de filmes. Ele também fazia a montagem sonora. Na cena citada de Noite Vazia, tanto quanto a imagem, o espectador retém o som da chuva superpondo-se ao da frigideira. E ele era um homem simples. Merece a homenagem.

HOMENAGEM A MAURO ALICE

Cinemateca Brasileira.

Lg. Sen. Raul Cardoso, 207, 3512-6111. R$ 8. Até 5/12. Programação: www.cinemateca.gov.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.