Cinéfilos de São Paulo perderão o Top Cine

O público de cinema alternativo de São Paulo perderá um dos seus pontos de encontro mais tradicionais. Na quinta-feira, após os créditos finais do filme Crash - No Limite, de Paul Haggins, filme vencedor do Oscar, na sessão das 21h45, o Top Cine fechará as portas definitivamente. O motivo seria um impasse sobre o aluguel do espaço usado, no Edifício Top Center, em plena Avenida Paulista.Desde 2000, as duas salas do cinema são administradas pela empresa carioca Estação Botafogo, exibidora de filmes do chamado circuito de arte e responsável pelo Festival de Cinema do Rio. Em São Paulo, estava presente só no Top Cine, onde privilegiava filmes europeus, independentes americanos e reestréias de clássicos. No ano passado, o Top Center passou para as mãos da GP Investimento, de Carlos Alberto Sicupira e Jorge Paulo Lehman, citados pela revista americana Forbes entre os homens mais ricos do Brasil.Depósito em juízoEliezer Baranek, um dos diretores da Estação e ? até amanhã ? responsável pela sede paulistana, disse que sempre foi interesse da empresa continuar em São Paulo. ?Em novembro, pedimos a renovação do contrato de locação, que só venceria em maio?, contou.Segundo ele, os novos proprietários do edifício, que planejam reformar todo o complexo, quiseram rever o acordo e entraram na Justiça para cobrar uma suposta dívida. O valor foi depositado em juízo, mas a Estação considerou que uma briga nos tribunais levaria muito tempo e preferiu fechar agora.A reportagem apurou que o novo valor do aluguel seria três vezes maior do que o anterior.Com o fechamento do cinema, o grupo Estação só vai fazer novos investimentos em São Paulo a partir de 2007. Está prevista a abertura de uma sala, no segundo semestre do próximo ano.Representantes da administradora do prédio preferiram não comentar o fechamento do cinema, mas garantem que não há planos para o espaço. Qualquer novo investimento teria de ser avaliado. Mas já há rumores de planos para a abertura de salas multiplex.PatrimônioEntre os nove funcionários do Top Cine, houve surpresa e frustração. ?Estão acabando com um patrimônio histórico?, protestou Ibsen Silva, gerente do cinema desde 2000. ?Éramos um dos últimos clássicos da Paulista. Agora, só sobrou o Gemini.? Ele contou que foram informados da decisão há menos de uma semana. Todos já estão em busca de emprego.As duas salas do Top Cine, com 198 lugares cada uma, nunca foram um exemplo de conforto nem modernidade. Planas e com o som ruim espantavam o espectador acostumado aos cinemas mais novos. É a programação que atrai os cinéfilos, que podem comprar cartazes de filmes lá mesmo.Até amanhã, além de Crash - No Limite, resistem alguns sucessos do Oscar como Boa Noite e Boa Sorte, Paradise Now e Orgulho e Preconceito. E, para manter a vocação de cineclube, o clássico Pele de Asno, de Jacques Demy, com Catherine Deneuve.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.