Cineastas defendem participação nas Olimpíadas de Pequim

Um trio de cineastas defendeu sábado suaparticipação no projeto cinematográfico sobre os preparativospara a Olimpíada de Pequim, 11 dias após Steven Spielberg terse desligado do cargo de conselheiro para os Jogos devido àpolítica da China em relação a Darfur. O iraniano indicado ao Oscar Majid Majidi, o populardiretor de Hong Kong Andrew Lau Wai-Keung e o britânico DarylGoodrich, que fez um influente filme sobre a candidatura deLondres para sediar os Jogos de 2012, estiveram na capitalchinesa para a pré-estréia do projeto "Vision Beijing." No dia 12 de fevereiro, o ganhador do Oscar Spielbergrenunciou ao cargo de conselheiro das cerimônias de abertura eencerramento dos Jogos, que acontecem entre 8 e 24 de agosto,por causa da política chinesa em relação aos conflitos emDarfur, no Sudão. "Fiquei chocado e surpreso que Steven tenha dado para trásde seu trabalho nas Olimpíadas de Pequim", disse à imprensaLau, cujo filme "Infernal Affairs" foi recentemente refilmadoem Hollywood como "Os Infiltrados." "Está claro que a Olimpíada tem tudo a ver com esportes enada com política." Majidi, cujo filme de 1998 "Filhos do Paraíso" foi indicadopara o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, disse não ter opiniãosobre a saída de Spielberg. "As pessoas têm visões diferentes", disse. "Alguns tomamdecisões por motivos particulares. Acredito que a arte não devater relação com a política. Ao contrário, a arte pode serprejudicada se estiver conectada a algo assim." Com a aproximação das Olimpíadas, a China vem enfrentandomuitas críticas e pressões em questões como Darfur, Tibete e osíndices de direitos humanos. O filme promocional de Goodrich para Londres 2012 éconsiderado um fator importante no sucesso da candidatura, masele não acha que seu novo curta, um dos cinco no projeto VisionBeijing, possa ser classificado como propaganda. "O respeito aos direitos humanos é absolutamente essencialem qualquer parte do mundo, isso não é negociável", afirmou. "Fui convidado para fazer um filme sobre esporte, sobrecrianças e para homenagear os Jogos Olímpicos. É o que farei, efoi por esse motivos que vim a Pequim e me diverti muito." "Tive liberdade completa com meu tema, no que escolhifirmar e como decidi filmar", disse. "Se eu acho que é um filme de propaganda? Não. Eu conteiuma história ... de dedicação e paixão, desde a mais tenraidade até a velhice." O italiano Giuseppe Tornatore e o francês Patrice Leconte,indicado ao Oscar por "O Ridículo" também dirigiram curtas parao projeto, que terá pré-estréia no domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.