Cineasta parte de ideia boa, mas erra na realização

Crítica: Luiz Zanin Oricchio

O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2012 | 03h11

JJJJ ÓTIMO

JJ REGULAR

Eis aqui uma boa ideia inicial, fantasiada a partir de um fato verídico. Ao regressar a Baltimore, em 1849, o escritor Edgard Allan Poe foi encontrado num banco de praça, em estado de choque. Alcoólatra, aparentemente teria entrado numa taberna e bebido até a inconsciência. Foi atacado de delírium tremens e morreu dias depois. Nunca se soube direito o que teria acontecido. O Corvo, de James McTeigue, especula sobre o que teria havido nesses dias.

Arma uma trama fantasiosa, na qual o próprio Poe se defronta com um serial killer que age inspirado nos contos do escritor. Poe é interpretado por um John Cusak que poderia estar mais contido, não fosse o exagero a nota predominante do filme de McTeigue. Como o modus operandi do assassino lembram as tramas que escreveu, Poe é recrutado para ajudar na investigação. A coisa toma rumo ainda mais dramático quando a amada de Poe, Emily Hamilton (Alice Eve) é sequestrada pelo assassino. Este deixa pistas baseadas nas narrativas de terror escritas por Poe.

Se a ideia é boa, a realização deixa a desejar. O universo de Poe é gótico. McTeigue opta pelo grotesco, não raro. Ao invés de explorar o terror implícito, mais eficiente, vai logo para o explícito, para chocar. Os golpes baixos, além de desagradáveis para o público, deixam de funcionar a partir de certo ponto. Por outro lado, o ponto de partida é interessante, mas mal trabalhado. A ideia de confrontar Poe com sua própria ficção é engenhosa. Menos feliz, no entanto, é a maneira como as narrativas se transformam em pistas para a investigação. Faltou ourivesaria de roteiro.

Além disso, a peça maior da simbologia de Poe - o corvo - que dá título ao filme não passa de uma presença ornamental, se o termo cabe nesse caso. O Corvo é um poema, um dos mais conhecidos e traduzidos de todos os tempos. O próprio Poe deixou um ensaio, A Filosofia da Composição, no qual explica como o escreveu. É um texto sobre a morte e sobre o "nunca mais" (nevermore) da ausência absoluta do ser amado. No filme, ele é apenas uma presença física, a de uma ave de mau agouro, que alinhava episódios diferentes. Tem presença física, mas não presença metafísica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.