Cineasta John McTiernan é condenado a um ano de prisão

O cineasta John McTiernan, diretor da série "Duro de Matar", foi sentenciado na segunda-feira a um ano de prisão por perjúrio e por mentir a autoridades num caso de escutas telefônicas que envolve um ex-detetive particular que trabalhou para vários astros de Hollywood.

REUTERS

04 de outubro de 2010 | 19h24

McTiernan, 59 anos, também foi multado em 100 mil dólares.

O cineasta foi acusado de ter contratado Anthony Pellicano para "grampear" as comunicações de um produtor com o qual McTiernan havia trabalhado em "Rollerbal" (2002).

Inicialmente, o diretor mentiu ao FBI sobre seu envolvimento com Pellicano, que já foi condenado a 15 anos de prisão por chantagem, conspiração e escuta clandestina.

McTiernan foi indiciado em 2009 por um júri de instrução e declarou-se culpado por duas acusações de falso testemunho e uma acusação de perjúrio.

(Reportagem de Jill Serjeant)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEMCTIERNANPRISAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.