Cinco décadas de Plácido Domingo

O tenor espanhol Plácido Domingo está completando 70 anos sem dar o menor sinal de que pretende se aposentar. No que diz respeito a cantores lírico, a teimosia em deixar os palcos costuma esbarrar nas limitações físicas da voz, que se desgasta inevitavelmente com o tempo. Domingo, no entanto, se reinventou e, deixando de lado os agudos papeis de tenor, passou a atuar como barítono. A carreira, assim, não apenas ganhou sobrevida como tem deixado públicos do mundo todo excitadíssimos: depois de papeis como Simon e Rigoletto, o que mais vem por aí?

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2011 | 00h00

Há nesses lances recentes da vida profissional de Domingo os ecos de uma capacidade que o acompanhou em toda a carreira: saber respeitar os limites da voz na escolha do repertório, mesmo fora de seu habitat natural. Seu registro nunca foi óbvio, espontâneo, como o de Luciano Pavarotti. Faltavam-lhe notas mais altas - foi apelidado de PlaMingo, o tenor sem Si e Dó, as notas mais altas da tessitura de tenor. Mas, a cada papel que interpretou, soube imprimir uma marca extremamente pessoal, aliada ao talento de ator sobre o palco.

A coletânea lançada agora pela Universal, juntando registros da Deutsche Grammophon e da Decca, The Plácido Domingo Story, conta um pouco dessa trajetória. São três discos: o primeiro e o segundo, dedicados à ópera, com registros de 1968 a 1983 e de 1983 a 2007; o terceiro, com trechos de zarzuelas (as operetas espanholas), tangos e canções napolitanas. Estão todos ali, os trechos preferidos do público, Nessun Dorma, Celeste Aida, Vesti La Giubba, Quando Le Sere al Placido e companhia. Não há material inédito, mas, sim, algumas gravações que acabaram injustamente ficando à margem de sua extensa discografia, como o recital gravado no final dos anos 70 com o maestro Carlo Maria Giulini. Ainda que entrecortada, a seleção é uma lição sobre as possibilidades expressivas da voz.

Trajetória

Coletânea de três discos reúne registros feitos desde os anos 60 pelo tenor, ao lado de maestros como Carlo Maria Giulini

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.