Cidade submersa de Heraklein é encontrada no Egito

O arqueólogo marítimo francês Franck Goddio, de 53 anos, encontrou a apenas seis quilômetros da costa da cidade egípcia Abukir, no Mediterrâneo, os restos da cidade submersa de Herakleion. A antiga cidade de apenas um quilômetro quadrado de extensão, foi, até a fundação de Alexandria no ano 331 a.C., a porta de entrada do Egito e sua principal estação aduaneira.Os restos encontrados, entre eles estátuas faraônicas de até seis metros, assim como sarcófagos e cofres de granito, são "muito impressionantes", assegurou o arqueólogo. A cidade submersa, com seus templos e casas em ruínas, encontra-se a cerca de seis a oito metros abaixo do nível do mar. "As ruínas, as ruas, o sistema de esgoto, tudo está coberto de areia. As vezes são apenas 30 centímetros (de areia), mas outras até dois metros", explicou.Os informes geológicos das universidades norte-americanas, uma delas de Stanford, haviam apresentado "provas contundentes" de que foi um terremoto a causa do desaparecimento da cidade, disse o arqueólogo. "As paredes estão caídas como peças de dominó". A antiga Herakleion estava na desembocadura de um braço do Rio Nilo, que posteriormente encheu-se de areia. Histórias e lendas - Segundo a mitologia grega, o rei de Esparta, Melenaos, interrompeu sua viagem para casa ao chegar a Herakleion, depois de ter recuperado a sua esposa Helena, em Tróia. Outras das luxuosas cidades da desembocadura do Nilo eram Canopus e Menouthis, com seu famoso templo de Ísis. Na antigüidade, esses lugares atraíam numerosos peregrinos, que buscavam a cura de enfermidades ou queriam consultar o Oráculo. Goddio também tem estudado Canopus, que, como Herakleion, está submersa. Suas muralhas, de 90 metros de comprimento e três de espessura, são "impressionantes", assegurou. "Os blocos tem mais de um metro de altura e até 80 centímetros de largura", explicou. Entre os restos, também encontraram estátuas, esfinges, cerâmica, moedas e jóias. A equipe de Goddio é formada por 14 pessoas, entre franceses, norte-americanos, russos e um alemão. Além disso, conta com a ajuda de oito mergulhadores da Administração Egípcia de Antigüidades. Goddio investiga e mede sistematicamente a baia de Abukir com equipamentos eletromagnéticos ultra modernos, e com os resultados está elaborando um mapa submarino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.