Cidade alemã combate o déficit com 'imposto sexual'

BERLIM (Reuters Life!) - Diante de um déficit municipal superior a 100 milhões de euros (133 milhões de dólares), a prefeitura de Dortmund, no oeste da Alemanha, criou um imposto sobre a prostituição.

REUTERS

09 de dezembro de 2010 | 18h12

Todas as profissionais do sexo registradas na cidade precisam agora pagar uma tarifa de 6 euros por dia de trabalho, sob pena de multa. A prefeitura espera um rendimento de 750 mil euros por ano.

A medida entrou em vigor em agosto, mas só nesta semana os tickets que autorizam o trabalho diário começaram a ser emitidos.

Uma proposta alternativa, de cobrar 1 ou 2 euros de ingresso para os frequentadores da zona de prostituição da cidade, não prosperou por falta de apoio político.

Impostos como esses são comuns na Alemanha, onde a prostituição é legalizada e as prostitutas pagam imposto de renda. Colônia adotou em 2004 um imposto de 150 euros para as profissionais do sexo, e depois criou uma opção para o pagamento de 6 euros por dia de trabalho para quem exerce a atividade nas horas vagas.

(Reportagem de Eric Kelsey)

Tudo o que sabemos sobre:
ODDIMPOSTOSEXUAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.