Cia. do Latão faz montagem brilhante de Brecht

Na montagem de O Círculo de GizCaucasiano o primeiro e forte impacto positivo vem com apertinente recriação do prólogo, que vai além da meraatualização temporal ou temática. Embora tome apenas sete dasmais de cem páginas dessa peça de Bertolt Brecht, é recursodramatúrgico de fundamental importância porque dá sentido ejustifica o espetáculo que será apresentado e, mais amplamente,a própria arte. Tal função não escapou ao diretor SérgioCarvalho, pelo contrário, sua versão atualiza o essencial - aconexão entre vida e arte. No original, o prólogo flagra um litígio por um pedaçode terra entre camponeses da antiga União Soviética. A decisãofinal - toma posse do vale não quem o possuía por direito legal,mas quem projetou irrigá-lo e fertilizá-lo - será comemorada coma representação de uma peça que, obviamente, tem como objetivoreforçar, ludicamente, a validade do conceito de justiçaaplicado na decisão - o bem é de quem o merece - e, sobretudo,mostrar a impossibilidade de que tal justiça seja aplicada numasociedade baseada no poder econômico e na propriedade privada, anão ser como exceção. Ao escolher um assentamento do MST, em Sarapuí, SP, paraambientar o prólogo, o diretor não o faz para ?atualizar? olitígio, transformando camponeses soviéticos em ?assentados?, oque truncaria sentidos, mas sim une atores e assentados em tornode uma discussão sobre o texto. A edição desse encontro,projetada no teatro, é bastante eloqüente seja pelas imagens,como o contraste entre a aridez do pasto cheio de tocos deárvores e a parte já irrigada do assentamento - que parece nosdizer que ali foi aplicado o conceito de justiça em questão -seja pelas palavras, uma vez que os próprios assentados se dãoconta da diferença entre a realidade retratada no texto e a?exceção? na conquista deles. A revitalização do prólogo refunda o sentido darepresentação que se segue - uma lenda de origem chinesa sobre adisputa de um menino entre sua mãe de sangue e sua mãe decriação. Não por acaso, Brecht deixa bem claro que será umprestigiado e experiente cantor e poeta o responsável pelaencenação. Recado do autor? Se os objetivos político-pedagógicosde Brecht são inequívocos - mascará-los é tudo que jamais quis,pelo contrário -, ele também sabia que só seriam alcançados combom teatro. E é exatamente isso o que nos oferece a Cia. doLatão.Destaques Antes de mais nada, o longo exercício da linguagem épicareflete-se positivamente no palco, na leveza com que se faz emcena o trânsito entre drama e a narrativa. É admirável o domínioalcançado pelos atores do Latão nessa estética, especialmenteHelena Albergaria e Ney Piacentini, que ora vivem plenamente ossentimentos e contradições dos personagens - trazendo à tona umaincrível gama deles - ora são atores/narradores, num trânsitoque flui de tal forma que o espectador é conduzido ao mesmomovimento, da emoção ao distanciamento crítico, prazerosamente. Sérgio Carvalho optou por abrir mão das rígidas máscarassugeridas no texto. Como tem um elenco de onze atores muitoafiados - Rogério Bandeira, Luís Marmora, Rodrigo Bolzan estãoentre os que vieram de outras companhias e se integraramperfeitamente à linguagem do Latão -, os personagens ganharam emhumanidade sem prejuízo da idéias que se pretende demonstrar. Amontagem consegue ser tão cristalina quanto o texto aodemonstrar o funcionamento do jogo das forças políticas e a açãodesse jogo sobre os indivíduos. Entre as qualidades dessa montagem destaca-se a música,executada ao vivo, elemento fundamental na condução da trama. Adireção musical de Martin Eikmeier é nada menos que brilhante eo resultado é tão harmônico que, paradoxalmente, a música nãodesvia nossa atenção para ela. Grande texto em encenação felizda Cia. do Latão, O Círculo de Giz Caucasiano é espetáculo quetoca, a um só tempo, corações e mentes, deleite intelectual eemocional. Como queria o autor. O Círculo de Giz Caucasiano. 180 min (intervalo 15 min). 16 a.Com a Cia. do Latão e convidados. Sesc Avenida Paulista (100 lug). Av. Paulista, 119, tel. (11) 3179- 3700. 6.ª a dom., 20 h. R$15

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.