Chuva marca o início do festival de música de Glastonbury

Bandas como The Who e The Killers agitam o evento, que acontece em fazenda

Agencia Estado

22 de junho de 2007 | 16h32

Milhares de pessoas foram a Glastonbury nesta quinta-feira, 21, para conferir o maior festival mundial de artes e música realizado em campo aberto. Com a chuva torrencial, os amantes da lama não devem sair decepcionados.O festival no sudoeste da Inglaterra é notório pela chuva forte, depois de três anos (1997, 1998 e 2005) em que a fazenda de Michael Eavis, onde acontece o evento, virou um grande lamaçal escorregadio.As principais atrações deste ano serão bandas veteranas como The Who, os novatos do The Killers, a sensação britânica Arctic Monkeys e o grupo canadense Arcade Fire. O evento dura três dias e tem também poesia, teatro, circo e comédia.ChuvaEavis vê a chuva como desafio e gastou 100 mil libras (R$ 400 mil) para melhorar a drenagem da fazenda. O organizador barbudo de 71 anos disse que está "quase ansioso pela chuva, para ver como a tubulação vai funcionar".Em 2005, centenas de barracas foram levadas pela inundação, depois de várias horas de chuva.As tradicionais botas de chuva inglesas de cano alto, guarda-chuvas coloridos, ponchos e capas marcam presença em Glastonbury desde que o festival começou, em 1970, tendo rapidamente se transformado em reduto hippie.ShowsO público estava animado, apesar da chuva, que parou na metade da manhã. Os organizadores disseram que nesta quinta a expectativa era de um recorde de 177.500 pessoas, que devem lotar os campos de Eavis para assistir a mais de 2 mil apresentações em 35 palcos. A abertura oficial do festival será na sexta-feira.O palco maior, Pyramid, vai abrigar shows dos Kaiser Chiefs, Manic Street Preachers, Kasabian, The Kooks, Bloc Party, Paul Weller e Dirty Pretty Things.As barracas dos fãs estão sendo montadas em círculos, e Michael Eavis está incentivando as pessoas a deixá-las para trás, após o evento, para serem doadas para países necessitados.O festival também tem medicina alternativa, apresentações de acrobatas e leituras de poesia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.