Christian Lacroix troca passarelas por museu de Paris

O estilista francês Christian Lacroixbuscou na história da moda sua inspiração para montar umaexposição no principal museu de artes decorativas de Paris,mostrando como as criações modernas são influenciadas pelopassado. A exposição no museu Les Arts Decoratifs, que abre para opúblico na quinta-feira e ficará até 20 de abril, comemora os20 anos de Lacroix na moda e deixa clara a dívida que ele temcom o passado. "Eu quis mostrar sobretudo que nada é inventado novo --que, por trás de cada uma de minhas criações, há algo que aantecedeu", disse o estilista à Reuters na quarta-feira. Reaberto em 2006 depois de passar anos esquecido, o museuLes Arts Decoratifs destaca arte e design dos mundos da moda,da decoração e da publicidade. A exposição traz criações de Lacroix ao lado de centenas deobjetos que ele selecionou do acervo do museu de vestimentas doséculo 18 até os anos 1930. A exposição está dividida em temas, como cor ou técnica, ehá seções sobre o uso do branco ou do xadrez, texturasfavoritas do estilista, como o patchwork ou os materiaisgastos, ou, ainda, temas como o hispanismo ou a liturgia. "Nas grandes exposições, normalmente são exibidas grandesobras e não sobra espaço para as criações mais humildes oupeças de roupa anônimas, embora elas possam ser muito belas",disse Lacroix. "Aqui eu quis dar espaço para coisas assim." O trabalho de Lacroix frequentemente é associado à ousadiae uso extravagante de cores como o vermelho e o amarelo. Mas o estilista sempre teve um interesse profundo pelahistória da arte e do design, desde sua infância em Arles, nosul da França, e originalmente pensou em ser curador de museu,depois de estudar a história da arte na faculdade. "A arte não é sempre as coisas grandes, Napoleão, osmonumentos grandiosos, as pirâmides ou algo assim. O que eugosto é da rua, das coisas comuns, do cotidiano", disse ele. "Se esta exposição transmitir como eram as garotas quepassavam nas ruas, o glamour e o charme dos séculos passados,então estarei satisfeito."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.