Chirac manifesta "emoção e tristeza" com morte de Jorge Amado

Em mensagem endereçada ao seu colega brasileiro Fernando Henrique Cardoso, o presidente da França, Jacques Chirac, manifestou "emoção e tristeza" pela morte de Jorge Amado, acrescentando que "o Brasil perde um imenso escritor que, graças ao seu talento excepcional, fez o mundo conhecer a força e o charme da alma brasileira". O dirigente francês afirmou, em seguida: "A potência da obra de Jorge Amado e a riqueza de seu estilo o elevaram ao primeiro escalão da literatura mundial. Paris, que teve a chance de acolhê-lo quando ele escolheu, por um tempo, viver na Europa, se orgulha da recordação deste romancista infatigável, cuja personalidade marcou fortemente a vida intelectual do século 20". Concluindo, o presidente Chirac afirma, na nota, que "a França compartilha hoje o luto do Brasil, se associa à dor de seu povo e exprime à família e aos próximos de Jorge Amado sua simpatia e sua amizade nesta provação."Numa segunda mensagem, distribuída à imprensa pelo Palácio do Eliseu, o presidente Jacques Chirac declarou que "o mundo das letras perde, com Jorge Amado, um escritor de grande talento e um homem de engajamento, cuja vida e os livros responderam ao apelo de um mesmo combate, o combate da liberdade e da dignidade de todo homem, em particular do humilde e do oprimido do qual o escritor, desde a juventude, compreendeu a condição e os sofrimentos". "Sua obra transpôs cedo as fronteiras do Brasil", acentuou o chefe de Estado francês, "ela era particularmente conhecida e apreciada na França, à qual ele se vinculava com a amizade do coração, depois que Paris o acolheu quando de seu exílio. Foi com emoção e tristeza que soube de seu falecimento".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.