China recupera pergaminho por US$ 3,6 milhões

A China pagou a quantiarecorde de US$ 3,6 milhões a um museu japonês para comprar umpergaminho chinês do século 9 D.C., como parte de seus esforçospara recuperar tesouros nacionais. O governo chinês informou hoje que a compra,efetuada na sexta-feira, foi a primeira de um fundo especialcriado este ano para resgatar obras-mestras chinesaspertencentes ao acervo de outros países.O funcionário Tang, da Administração do PatrimônioCultural, disse que o pergaminho foi adquirido em um leilão emPequim. Acrescentou que a obra saiu do país há mais de um séculoe terminou em um museu privado do Japão. O preço do manuscrito é o mais elevado já pago por umaobra em caligrafia chinesa, destacou Tang. A aquisição seráexibida no museu do Palácio da Cidade Poribida em Pequim, antigaresidência dos imperadores chineses.Os chineses consideram sua escrita ideográfica como umaarte equiparável à pintura, e as obras dos melhores calígrafosalçançam altos preços. O autor do pergaminho, Mi, viveu de 1051 a 1107, durantea dinastia Song.Um pesquisador do museu, Jin Yunchang, disse que Miutilizou uma técnica em que cinzelou os 39 caracteres dopergaminho em uma pedra e em seguida os imprimiu em papel.A frase descreve a beleza da pedra utilizada para aimpressão e a compara com as cinco montanhas às quaisfreqüentemente se refere a poesia chinesa.Tang considerou o momento atual bom para entrar nomercado mundial de arte devido à crise na economia global.Relativamente poucas obras de arte chinesa antiga estão no país.Muitas foram levadas para o exterior durante décadas de guerracivil, e outras foram destruídas durante a Revolução Culturalentre 1966 e 1976, durante o governo de Mao Tsé-tung.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.