China perde US$ 2,7 bilhões por ano com pirataria

A pirataria de discos audiovisuais na China causa para a indústria uma perda de US$ 2,7 bilhões anuais, segundo um estudo publicado nesta terça-feira na imprensa chinesa. E o problema deve se agravar com a expansão do mercado ilegal de cinema para consumo privado, diz o estudo da Motion Picture Association (MPA) norte-americana, citado pelo jornal independente South China Morning Post.Pelo menos a proporção de discos piratas na China caiu em relação ao ano anterior. Em 2005, 93% eram cópias ilegais, contra o 95% de 2004.Do prejuízo estimado, mais da metade corresponde à indústria cinematográfica local. O resto é dividido entre a MPA, que representa as principais produtoras norte-americanas, empresas de Hong Kong e de outros países asiáticos e europeus."Não é um problema só dos filmes norte-americanos, e sim um problema global", apontou Michael Ellis, diretor regional da associação para a Ásia-Pacífico, durante uma conferência paralela ao Festival Internacional de Cinema de Xangai, que ocorreu no último sábado.A China só permite a projeção em seus cinemas de 20 filmes estrangeiros por ano. "Como não podemos pôr filmes no mercado, os piratas preenchem o vácuo. Sempre dissemos muito claramente que a China não solucionará seus problemas de pirataria se não mudar o acesso a seu mercado", disse Ellis.Washington analisa a possibilidade de denunciar Pequim à Organização Mundial do Comércio (OMC) por pirataria num amplo leque de setores industriais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.